Galocantô lança CD “Pano Verde no Trapiche Gamboa

Galocantô (foto: Rosi Amaral)
Galocantô (foto: Rosi Amaral)

Apontado como um dos grandes nomes do samba atual, desde o lançamento do seu 1º CD, o “Fina batucada”, há dez anos, o Galocantô, que já possui 15 anos de trajetória, há alguns anos comanda as rodas dos sábados do Trapiche com clássicos de sambistas consagrados, como Noel Rosa, Wilson Moreira, Paulinho da Viola, Paulo César Pinheiro e Trio Calafrio

Nesta roda especial, o sexteto lança o seu terceiro CD, o “Pano Verde”, que possui direção artística do produtor Túlio Feliciano, a participação especial do cantor Zé Luis do Império Serrano e músicas de Nei Lopes, Arlindo Cruz, Luis Carlos da Vila e Toninho Gerais, entre outros, além de composições dos integrantes e o já sucesso na cidade, o samba “Vara de família”. No repertório da roda, o público também certamente dançará canções já populares dos seus outros álbuns e alguns sambas-enredo e MPB em arranjo de samba de que todos gostamos.

O grupo nasceu sob a influência de nomes do quilate de Candeia, D. Ivone Lara e Fundo de Quintal, entre outros, e é formado por Marcelo Correia (violão de 7 cordas), Pablo Amaral (cavaco), Edson Costa (percussão), Léo Costinha (percussão), Lula Matos (percussão) e Jorge André (percussão). Foi indicado ao “Prêmio Tim 2007” na categoria melhor grupo de samba, concorrendo com o consagrado Grupo Fundo de Quintal, e ao “Prêmio da Música Brasileira” 2010 na categoria melhor grupo de samba, com o álbum “Lirismo do Rio” reafirmando o trabalho autoral do grupo. Os shows do Galocantô sempre são uma grande oportunidade para se conhecer o que há de melhor na história do samba, sendo certeza de noite inesquecível. 

Couvert artístico: R$25 (lista amiga para aniversariantes até as 16h pelo e-mail trapichegamboa@ig.com.br: R$20). 18 anos. A casa abre às 19h30. 

Divulgação

Sobre a casa “Trapiche Gamboa”:
Situado no berço do samba, na Gamboa, entre a Pedra do Sal, a Ladeira do Valongo e o Largo da Prainha, entre o centro da cidade e o bairro da Saúde, o Trapiche Gamboa é um grande sobrado do século XIX (1857) e foi inaugurado como casa de shows em 2004. Ele se tornou um refúgio para o samba de roda (a mais autêntica forma de música brasileira) e consagrou-se como uma das maiores, mais bonitas e aprazíveis casas (de samba) da cidade. Importantes sambistas já passaram por lá e exímios músicos da nova safra do samba do Rio de Janeiro frequentemente realizam as magistrais rodas da casa.

A arquitetura de 1857 e com pé direito de 13 metros está conservada com piso original e parede de pedra revestida com óleo de baleia. Antes de abrigar a casa de samba, o sobrado era uma oficina mecânica.

Quem é do samba ou quer conhecê-lo melhor e mais de perto, seja carioca ou turista, deve visitar o Trapiche Gamboa, endereço de uma boa combinação de petiscos e de roda de samba como a dos antigos terreiros. No segundo andar, há ainda um mezanino onde é possível bater um papo com menos barulho. Já no terceiro andar, uma varanda oferece ar fresco com um barzinho à disposição. É bem aconchegante e convidativo.

Classificação da casa: durante a semana: livre | sextas e sábados: 18 anos.
Abertura da casa: segunda à quinta: 18h30 | sexta: 19h30 | sábado: 20h30.
Horários dos shows: segunda à quinta: 20h30 | sexta e sábado: 22h30.
Aceita cartões de crédito e débito.
Faz reservas de mesas (tels.: 2516 0868 / 2233 9276).
Capacidade: 250 pessoas

Rua Sacadura Cabral, 155 – Gamboa (próximo à Praça Mauá, entre a Pça. Mauá e o Hospital dos Servidores)
Tels.: 2516-0868 / 2233 9276 

www.trapichegamboa.com 
Facebook: https://www.facebook.com/trapichegamboa?fref=ts
Instagram: http://instagram.com/trapichegamboarj/ 
Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCV0bChwM5Ba9L_SIblPxbVQ

DEIXE UM COMENTÁRIO