Festival Visões Periféricas 2016 – edição 10 anos

Roteiristas (foto: Divulgação)
Roteiristas (foto: Divulgação)

O Festival Visões Periféricas chega aos seus 10 anos. Evento referência no país faz parte do calendário cultural da cidade do Rio de Janeiro. A ideia do festival – que é o único do gênero no Brasil e referência na América Latina – é compor um painel que amplie e problematize esteticamente a noção de periferia e represente o tamanho e a diversidade do país por meio da produção audiovisual.

“O Visões Periféricas é o único com este perfil no Brasil e é realizado com regularidade há uma década, o que não é algo trivial”, avalia Marcio Blanco, idealizador do festival. “E ele mostra a produção destes territórios e valoriza os realizadores, independente de onde sejam. Nosso interesse é visibilizar uma estética viva, real e íntima das periferias e isto acaba sendo o nosso diferencial”, completa.

Todos os anos, o festival realiza mostras de longas e curtas-metragens em vários espaços culturais e públicos promovendo a integração da cidade e a mobilidade urbana. Produções audiovisuais construídas em diferentes plataformas, com formatos, linguagens, duração, narrativas e estéticas distintas, cabe de tudo na ampla e diversificada grade de filmes do Visões Periféricas.

A programação é composta pelas mostras competitivas Visorama, Fronteiras Imaginárias, Cinema da Gema e Tudojuntoemisturado; pela mostra de longas, Panorâmica; e mostras informativas elegidas pela curadoria. Oficinas multimídia, debates e apresentações artísticas completam a programação. Como é praxe, o festival traz os realizadores das várias partes do país, selecionados para as mostras competitivas ao Rio de Janeiro. A ideia é que eles vivenciem uma ‘residência criativa’ participando da programação do festival junto com os realizadores cariocas.

Além das salas de cinema, a exibição dos filmes se dá também em diferentes cineclubes, parceria que acontece desde a primeira edição do evento e que leva o festival para diversos bairros da cidade, Baixada Fluminense e até para outros municípios do estado.

Desde sua primeira edição o projeto já exibiu cerca de 2 mil filmes para um público de mais de 30 mil pessoas. Nomes como Regina Casé, Eduardo Coutinho, Marcelo Yuka já foram homenageados no festival.

Este ano o festival oferece, também, consultoria gratuita para até seis roteiros de curta-metragem. A iniciativa traz profissionais do mercado para avaliar as histórias, como Gabriel Brugni, que escreveu para a série indicada ao Emmy “O Infiltrado”, do History Channel; Manuela Pinaud, que tem trabalhos na Globo e GNT e Globo; Rodrigo de Vasconcellos, que escreveu o filme “Ninguém Ama Ninguém Por Mais de Dois Anos”; e a dupla Marina Meira e Paula Santos, da comédia “Terminadores”, que passou na Band e na TNT. As inscrições estão abertas até o dia 17 de setembro, no site do Festival.

As inscrições para a 10ª edição do festival estão abertas até o dia 2 de maio de 2016 no site www.visoesperifericas.org.br

Redes sociais:
Facebook: visoesperifericas
Twitter: vperifericas
Youtube: vperifericas
Instagram: festivalvisoesperifericas

Sobre a Imaginário Digital
Instituição realizadora do Festival Visões Periféricas desde 2008, a Imaginário Digital é uma associação cultural, qualificada como OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público). Nossos projetos trabalham na interface entre os campos do audiovisual, educação e tecnologias para a geração de espaços inovadores de criação e aprendizagem. Para saber mais e conhecer nossos outros projetos, acesse: www.imaginariodigital.org.br

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui