Festival de cultura negra de graça no fim de semana

Cia dos Comuns reedita o festival Olonadé - A cena negra brasileira, celebrando os 70 anos de trajetória profissional da atriz Ruth de Souza

Mercedes
Mercedes

Durante todo o final de semana, o Teatro Cacilda Becker receberá espetáculos de teatro e dança que reforçam e valorizam a cultura negra. O IV Festival Olonadé – A cena negra brasileira, que acontecerá até o dia 14, receberá os espetáculos Meia noite – (Dança) – com Orun Santana – PE, Vaga carne – (Teatro) – com Grace Passô – MG; Mercedes – (Teatro-Dança) com o Grupo Emú e Alquimia Cultural – RJ e A viagem dos Eborás – (Dança) – com o Grupo Makala Musica e Dança – RJ com apresentações totalmente gratuitas no Teatro Cacilda Becker.

Neste ano, a homenagem será para a atriz Ruth de Souza, celebrando seus 70 anos de carreira. Homenagear a Dona Ruth de Souza é uma forma de agradecê-la pelo talento e vocação que demonstrou durante décadas na arte de representar. Cuido com muito carinho e zelo do privilégio de ser colega de Dona Ruth nesse oficio que escolhi que é o de ser artista.

Segundo Hilton Cobra, fundador e diretor da Cia dos Comuns, a quarta edição do Olonadé foi idealizada com objetivo de refletir sobre a performance e a estética negra no âmbito das artes cênicas. “Também pretendemos, com o Olonadé, intensificar o intercâmbio, contribuir para a formação profissional e de plateia e, sobretudo, divulgar e difundir a nossa produção cênica. Teremos uma programação diversificada, onde mostraremos ao público nacional e estrangeiro, durante a Olimpíada, o que há de mais rico nas artes cênicas negras brasileiras” explica Cobra.

Estimular o desenvolvimento da dramaturgia afro-brasileira e a formação teórica e intelectual de artistas, técnicos, pesquisadores e público. Criar e fomentar narrativas artísticas que têm o negro como protagonista. Valorizar a cultura afro. Esses são os objetivos da Cia dos Comuns, grupo teatral carioca formado por atores e atrizes negros em 2001.

SERVIÇO

“IV Olonadé – A cena negra brasileira”: mostra artística de dança e teatro negros 

Espetáculos de dança e teatro: até 14 de agosto, sempre às 19h e 20h.
Local: Teatro Cacilda Becker. Rua do Catete, 338 – Catete, Rio de Janeiro. Tel.: 2265-9933
Entrada franca 

12/08 (sexta-feira) às 19H | Meia noite | Orun Santana – PE
12/08 (sexta-feira) às 20H | Vaga carne | Grace Passô – MG
13/08 (sábado) às 19H | Mercedes | Grupo Emú e Alquimia Cultural – RJ
14/08 (domingo) às19H | A viagem dos Eborás | Grupo Makala Musica & Dança – RJ

SINOPSES

Meia noite 
Orun Santana – PE
Data: 12/08 (sexta-feira) às 19h
Local: Teatro Cacilda Becker / R. do Catete, 338 – Catete, Rio de Janeiro  TEL: (21) 2265-9933
ENTRADA FRANCA
Classificação: livre

Partindo das histórias e da figura do Mestre Meia-noite, pai do bailarino, o espetáculo explora a capoeira como elemento criador e motivador do movimento dançado, construindo um procedimento de uso da memória corporal e dialogando dramaturgicamente na relação pai e filho, mestre e discípulo. São utilizadas dinâmicas corporais que buscam a relação corpo, pulsão e memória, como via de investigação na cena, através de perguntas e frases norteadoras: O que constitui meu corpo? Quais as memórias inscritas no corpo?

Ficha técnica:
Intérprete-criador: Orun Santana
Trilha sonora: Orun Santana, Vitor Maia e Leandro Pedrosa


Vaga carne 
Grace Passô – MG
Data: 12/08 (sexta-feira) às 20H
Local: Teatro Cacilda Becker / R. do Catete, 338 – Catete, Rio de Janeiro  TEL: (21) 2265-9933
ENTRADA FRANCA
Classificação: 14 anos

Solo de Grace Passô, que também assina o texto do trabalho, Vaga carne é uma peça onde uma voz errante, capaz de invadir qualquer matéria sólida, líquida ou gasosa, resolve, pela primeira vez, invadir um corpo de mulher e, a partir dessa experiência, traçar uma jornada de auto reconhecimento. A narrativa é a saga de um corpo de mulher com urgência de discurso, à procura de suas identidades e de pertencimento. No espetáculo, que é a inauguração do projeto Grãos da Imagem, Grace Passô reuniu antigos parceiros de trabalho como interlocutores, como é o caso de Nadja Naira (artista curitibana, integrante da Companhia Brasileira de Teatro), Kenia Dias (professora e bailarina de São Paulo), Ricardo Alves Jr. (cineasta e diretor de teatro belorizontino) e Nina Bittencourt (socióloga e produtora).

Ficha Técnica:
Concepção, atuação e dramaturgia: Grace Passô | Equipe de criação: Kenia Dias, Nadja Naira e Ricardo Alves Jr. | Luz: Nadja Naira | Técnico e operador de luz: Lara Cunha | Trilha sonora: Ricardo Garcia | Operador de som: Maurício Chiari | Figurino: Virgílio Andrade | Fotografia: Lucas Ávila | Pesquisa e produção: Nina Bittencourt


Mercedes
Grupo Emú e Alquimia Cultural – RJ
Data: 13/08 (sábado) às 19H
Local: Teatro Cacilda Becker / R. do Catete, 338 – Catete, Rio de Janeiro  TEL: (21) 2265-9933
ENTRADA FRANCA
Classificação: 12 anos

Partindo da trajetória de Mercedes Baptista, principal precursora da dança afrobrasileira pelo mundo e primeira bailarina negra do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Mercedes é uma obra interessada no diálogo da questão racial com a contemporaneidade.  Através de uma pesquisa negra poético corporal, fundamentada na percepção da miscigenação corpórea brasileira, a qual reflete a alma de um povo miscigenado, de acentuada herança africana, o espetáculo é uma história construída a partir de relatos reais e fictícios a respeito de um dos maiores nomes da dança brasileira pelo mundo.

Ficha Técnica
Texto: Sol Miranda e Cássio Duque | Direção: Juracy de Oliveira e Thiago Catarino | Supervisão de Direção e de Dramaturgia: Fabiano de Freitas | Direção de Movimento: Fábio Batista | Direção Musical: Sérgio Pererê | Preparação Corporal: Charles Nelson, Elton Sacramento, Fábio Batista e Mestre Jagunço | Composição Musical: Sérgio Pererê e Kadú Monteiro | Iluminação: Paulo César Medeiros | Cenário: Adriano Farias e Juracy de Oliveira | Elenco: Iléa Ferraz – Sol Miranda – Ariane Hime – Reinaldo Junior – Núbia Pimentel – Raphael Rodrigues – Tuany Zanini


A viagem dos Eborás 
Grupo Makala Musica & Dança – RJ
Data: 14/08 (domingo) às19H
Local: Teatro Cacilda Becker / R. do Catete, 338 – Catete, Rio de Janeiro  TEL: (21) 2265-9933
ENTRADA FRANCA
Classificação: livre

A obra coreográfica é inspirada na criação do Mundo segundo as lendas mais marcantes no contexto africano, onde se conta que as Divindades Supremas partem do seu reino chamado Orun em caravanas com seus primeiros Eborás (Orixás) para a construção da vida na Terra. A Viagem constitui em duas partes, a primeira que trás a tradição e a energia ancestral, e a segunda que faz um desdobramento dessa ancestralidade até os dias de hoje passando por vários ritmos negros pesquisados pelo Grupo.

Ficha Técnica
Direção Geral / Coreógrafo: Betho Pacheco | Assist. de Direção e Coreografia : Adélia Costa | Dançarinos: Canela Monteiro, Lívia Gaspar, Junior Paixão, Marcio Henrique,                     Matheus Ribeiro, Priscila Alves, Vanessa Ketlen | Percussionistas: Adelson Rafael, Clovis Alexandre, Luciano dos Santos, Rafael Mukato, Kaio Ventura | Participações: Agnes Vincent, Ana Gregório, Viviane Santos | Iluminação: Erick Santos | Som: Alex Santos

DEIXE UM COMENTÁRIO