Fernando Molica cria personagem que reflete sobre os dilemas éticos, políticos e amorosos no Brasil contemporâneo

Sozinho em pleno voo, enquanto viaja entre dois continentes, um jornalista carioca se ocupa de escrever uma carta. A destinatária é Eloísa, ex-namorada e ex-chefe, poderosa assessora política. Enquanto desbrava a personalidade e a trajetória da mulher, o protagonista de Uma selfie com Lenin passa em revista a própria jornada, desde que era um repórter mal remunerado até se converter em redator a serviço de políticos de caráter duvidoso. Na missiva, há espaço ainda para ecos de notícias do Brasil, como as manifestações de 2013 e 2014 e o desencanto com o projeto de esquerda para o país.

Com um viés ao mesmo tempo melancólico e irônico, Fernando Molica desvela conflitos éticos e dilemas que marcam a rotina contemporânea, elaborando uma crítica perturbadora de nossa sociedade.

Fernando Molica é autor dos romances Notícias do Mirandão, O ponto da partida e O inventário de Julio Reis(publicados pela Record), Bandeira negra, amor e o infanto-juvenil O misterioso craque da Vila Belmira. Notícias do Mirandão e Bandeira negra, amor foram publicados também na Alemanha. Lançou ainda o livro-reportagem O homem que morreu três vezes (Record), que recebeu menção honrosa do Prêmio Vladimir Herzog. Dois de seus livros foram lançados na Alemanha. Foi, por duas vezes, finalista do Prêmio Jabuti. Jornalista, assina uma coluna diária no jornal O Dia.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui