Exposição “O Rio que se queria negar” retrata a favela a partir do acervo fotográfico de Anthony Leeds

Cidade de Deus, conjunto habitacional construído para receber moradores removidos de outras regiões. Construções populares. Foto: A. Leeds. Agosto de 1966
Cidade de Deus, conjunto habitacional construído para receber moradores removidos de outras regiões. Construções populares. Foto: A. Leeds. Agosto de 1966

Entre os dias 22 de setembro de 2015 e 10 de janeiro de 2016, a Fiocruz, em parceria com o Ministério da Cultura e o Museu da República, apresentará a exposição “O Rio que se queria negar”. A exposição traz ao público o acervo fotográfico do antropólogo norte-americano Anthony Leeds, cedido por sua viúva à Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz). As imagens, muitas delas inéditas, exploram a estrutura das favelas cariocas e suas dinâmicas internas sob o olhar do antropólogo, que morou nas favelas do Tuiuti e Jacarezinho, e pesquisou mais de cem favelas do Rio de Janeiro.

Entre as fotos, estão registros de favelas já removidas, como Macedo Sobrinho, antes localizada no bairro do Humaitá, Zona Sul da capital fluminense. É possível também encontrar imagens datadas da década de 1960, de comunidades já tradicionais, como a Rocinha e o Jacarezinho. As fotos acompanham uma história e análise enriquecedora da antropologia e sociologia fluminense e brasileira.

A mostra será dividida em duas partes: Uma localizada no jardim externo do Museu da República, com entrada franca, exibindo as imagens exemplificadas anteriormente; e outra na parte interna do Museu, onde estarão expostos alguns manuscritos do antropólogo, fotografias de Anthony Leeds e sua viúva, a cientista política Elizabeth Leeds, nas favelas fazendo suas observações de campo; e ainda uma projeção de imagens do acervo.

Favela do Urubu. Maria José e criança. Foto: A. Leeds. 1966.
Favela do Urubu. Maria José e criança. Foto: A. Leeds. 1966.

A abertura da exposição será marcada por um seminário, que acontecerá nos dias 22 e 23 de setembro. Como cerimônia de encerramento do seminário, será realizado o relançamento do livro A Sociologia do Brasil Urbano, de autoria conjunta de Anthony e Elizabeth Leeds – obra que é considerada um clássico dos estudos urbanos no País.

O Museu da República fica na Rua do Catete, 153, e funciona de terça à sexta-feira, de 10h às 17h, e sábado, domingo e feriados, de 11h às 18h. O acesso ao jardim externo e à exposição temporária é gratuito, e os ingressos para adentrar o espaço interno do museu podem ser adquiridos por apenas R$ 6,00, com direito à meia entrada para estudantes e menores de 21 anos. Professores, idosos e crianças de até 10 anos não pagam.

O evento tem o patrocínio master na Nortec Química, por meio da Lei de Incentivo à Cultura, e gestão executiva da Sociedade de Promoção da Casa de Oswaldo Cruz (SPCOC). A iniciativa conta com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj) e tem como parceiros a Fotosfera Rio e a Disarme Gráfico.

DEIXE UM COMENTÁRIO