Exposição Hiroshima 70, em Angra dos Reis

Hiromichi Matsuda / Museu da Bomba Atômica de Nagasaki. Nagasaki (Japão): 09 de Agosto de 1945
No dia 6 de agosto, entra em cartaz, em Angra dos Reis, a exposição Hiroshima 70, que reúne imagens capturadas por fotógrafos de diversos países desde 1945, quando os Estados Unidos lançaram duas bombas atômicas sobre as cidades japonesas Hiroshima e Nagasaki. A mostra, desenvolvida pela Sociedade Angrense de Proteção Ecológica (Sapê), lança um olhar sobre o universo nuclear, a partir destes fatos detonados no Japão, há 70 anos – uma maneira de relembrar as vítimas das indústrias bélica e nuclear.
 
As fotografias apresentam, entre outros assuntos, o cenário apocalíptico criado pela explosão das bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki, a luta contra a energia nuclear, os impactos do ciclo do urânio (material radioativo utilizado tanto no desenvolvimento de bombas nucleares quanto na produção de energia), as consequências de acidentes nucleares sobre o ser humano e a natureza. Além destas imagens, a exposição também apresenta um conjunto de cartazes criados entre 1970 e 2010 por movimentos de resistência antinuclear ao redor do mundo.
 
A exposição Hiroshima 70 é o destaque da programação deste ano do Hiroshima Nunca Mais, conjunto de ações realizadas anualmente pela Sapê desde a década de 1980. O público vai poder, ainda, participar do Encontro da Articulação Antinuclear Brasileira e do seminário “O programa nuclear na política energética nacional: contradições e perspectivas”.
Desde 1971, quando a usina Angra 1 começou a ser construída, os moradores de Angra dos Reis (cidade localizada entre as metrópoles Rio de Janeiro e São Paulo) convivem com a insegurança nuclear. O objetivo da exposição Hiroshima 70 é aproximar a população do debate sobre o uso de energia nuclear, levando em conta a iminente entrada em operação da usina Angra 3, prevista para 2018, e a meta do Plano Nacional de Energia, que prevê a construção de mais quatro usinas nucleares no Brasil até 2030.
 
(Clique nas imagens para apliar)
[justified_image_grid]

PROGRAMAÇÃO:
 
Exposição HIROSHIMA 70
Período de visitação: 6 de agosto a 4 de outubro
Local: Centro Cultural Theóphilo Massad (Praça Guarda Marinha Greenhalg, S/N. São Bento, Angra dos Reis – RJ)
 
Fotografias de: Amirtharaj Stephen, Dan Budnik, Elin O’Hara Slavick, Herval Silva, Hiromichi Matsuda, Igor Kostin, James Crnkovich, Jan Smith, Joelma Couto, Paul Hill-Gibbins, Peter Goin, Rieko Uekama, Robert Del Tredici, Rosane Prado, Vanor Correia e Yoshito Matsushige.
 
ABERTURA: SARAU COM MÚSICOS E CONVIDADOS
Data: 06/08 (quinta-feira), 18h
Local: Centro Cultural Theóphilo Massad
 
EXIBIÇÃO DO FILME “HIROSHIMA MON AMOUR” (Direção: Alan Resnais. França, 1959).
Data: 07/08 (sexta-feira), 19h
Local: Sala de vídeo do Centro Cultural Theóphilo Massad
 
SEMINÁRIO “O PROGRAMA NUCLEAR NA POLÍTICA ENERGÉTICA NACIONAL: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS”
Data: 07/08 (sexta-feira), 8h30 às 17h30
Local: Auditório do CEAV (Colégio Estadual Artur Vargas – Rua Coronel Carvalho, 230, Centro, Angra dos Reis – RJ)
 
Organizado em parceria pela Articulação Antinuclear Brasileira (AAB), pela Coalizão por um Brasil Livre de Usinas Nucleares e pela Sociedade Angrense de Proteção Ecológica (Sapê), o seminário tem como objetivo aprofundar a discussão sobre o uso da matriz nuclear na Política Energética Nacional, levando em conta o momento político e econômico que o país vive. As dúvidas que envolvem a construção de Angra 3, considerando a obsolescência do projeto, a indefinição quanto ao depósito definitivo de rejeitos, somado aos indícios de envolvimento das empreiteiras no esquema desvendado pela “Operação Lava-jato”, colocam esse tema na ordem do dia.
 
O seminário contará com a presença de especialistas da área de energia e representantes do movimento antinuclear de todo o país, entre eles:
 
Célio Bermann – Professor do Instituto de Eletrotécnica e Energia da Universidade de São Paulo (USP), onde leciona no Programa de Pós-Graduação em Energia, coordenando a linha de pesquisa “Energia, Sociedade e Meio Ambiente”. Foi assessor ambiental do Ministério de Minas e Energia entre 2003 e 2004. 
 
Heitor Scalambrini Costa – Físico, professor associado da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), com mestrado em Energia Nuclear e Doutorado em Energética na Université de Aix-Marseille/Commissariat de Energie Atomique/França. Membro do Movimento Ecossocialista de Pernambuco, da Articulação Antinuclear Brasileira e da Rede Brasileira de Justiça Ambiental. 
 
Chico Whitaker – Um dos fundadores e organizadores do Fórum Social Mundial, é membro da Comissão Brasileira de Justiça e Paz e fundador da “Coalizão por um Brasil Livre de Usinas Nucleares. Recebeu em 2006, na Suécia, o “Right Livelihood Award”, conhecido como “Prêmio Nobel alternativo”.
 
Movimentos de resistência de Caetité (Bahia) e Santa Quitéria (Ceará) também farão parte da programação do seminário. Também são aguardados representantes do Ministério Público Federal e da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN). 
 
As inscrições podem ser feitas pelo e-mail sapemovimento@gmail.com ou no local, no dia do seminário (vagas limitadas). Os participantes receberão certificado no fim do seminário.
 
ENCONTRO DA ARTICULAÇÃO ANTINUCLEAR BRASILEIRA
Data: 08/08 (sábado), 8h às 17h
Local: Casa de Cultura (Rua do Comércio, 172, Centro. Angra dos Reis – RJ)
 
O encontro da Articulação Antinuclear Brasileira terá como objetivo fortalecer uma ação política coordenada, nas várias frentes de resistência – mineração de urânio, novas usinas nucleares no nordeste, Angra 3 – ampliando a participação de mais pessoas e instituições na AAB. 
 
As inscrições para o encontro devem ser feitas no local, no dia 7. Mais informações pelo e-mail: sapemovimento@gmail.com.
 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui