Exposição “Fé, Luz e Sombras” de Severino Silva no Centro Cultural Light

Divulgação

Vencedor dos Prêmios Vladmir Herzog de Anistia e Direitos Humanos e Líbero Badaró, o fotógrafo Severino Silva sabe, como ninguém, captar a alma de seus fotografados. Sua imagens transmitem emoção e reflexão sobre os fatos do cotidiano. Após 15 anos de catalogação, Severino lança no próximo dia 27 a exposição “Fé, Luz e Sombras”, no Centro Cultural Light.

Através das imagens, captadas pelo fotógrafo, é possível fazer uma belíssima viagem nos sertões, igrejas católicas, terreiros de candomblé e de todas as religiões no Brasil. O Nordeste tem um diferencial, pois seu povo é alimentado pela fé, e essa é a marca forte do artista, que é paraíbano.

Seu trabalho teve início em 2001 em Copacabana, quando Severino cobria as comemorações de Ano Novo. Na ocasião, ele percebeu o rico universo da fé nas areias lotadas de fiéis agradecendo a Yemanjá no maior Réveillon do mundo. “Registrar e expressar fotograficamente esse sentimento arraigado no fundo de nossas almas – a fé – sempre foi foi desafiante a todos os fotógrafos do mundo”, conta a formanda em fotografia e curadora da exposição Cacau Fernandes.

Severino consegue exaltar a espetacular beleza plástica que reveste a fé de todos nós. Por meio de luzes, sombras, cores e volumes, sua câmera nos passa a perplexidade de um olhar em busca da origem dessa força mágica que ampara cada um de nós nessa áspera jornada de nossas vidas. “Severino Silva nos convida a uma peregrinação por muitas facetas da religiosidade que se manifesta pelo país afora”, Tchello d’Barros, escritor e artista visual.

Sobre o fotógrafo

Severino Antônio da Silva nasceu no dia 20 de agosto de 1958 na Paraíba. Quando criança, adorava desenhar, ficava olhando as nuvens e os bichos que enxergava nelas. Severino veio para o Rio aos 11 anos, acompanhado da mãe, da avó e de uma irmã. Ele perdera o pai aos oito anos. Bem cedo começou a trabalhar no comércio, mas nunca perdeu o foco: queria ser fotógrafo. 

Aos 18 anos, pediu emprego no O Globo. Foi admitido como contínuo, depois passou a ser fotógrafo industrial, em seguida passou a trabalhar como fotógrafo nos jornais de bairro. Também trabalhou no O Fluminense, O Povo, A Notícia, O DIA, retornou ao O Globo. Há 19 anos, voltou ao O DIA. É ganhador do prêmio Tim Lopes por uma série de reportagens sobre o Nordeste, em parceria com o repórter Alexandre Medeiros.

Continua achando o Rio de Janeiro “muito lindo, apesar dos problemas”. O fotógrafo é muito agradecido pelo acolhimento dos amigos e admiradores. A gratidão é maior por sua mãe, Dona Ana, que o sempre incentivou na profissão.   

Serviço

Exposição “Fé, Luz e Sombras”
Fotógrafo: Sevirino Silva
Abertura: 27 de novembro
Local: Centro Cultural Light
Av. Marechal Floriano, 168 – Centro, Rio de Janeiro
Entrada: gratuita  

DEIXE UM COMENTÁRIO