Exposição “Despertar a Criatividade – Jogos Paralímpicos” destaca a criatividade de deficientes intelectuais

Até 18 de setembro, quadros que retratam as modalidades das paralimpíadas, realizados pelos atendidos da ADERE, ficarão expostos à visitação pública, no Salão Nobre do Arquivo Nacional, no Rio de Janeiro.

Até o dia 18 de setembro, 23 quadros realizados pelos atendidos da Associação para Desenvolvimento, Educação e Recuperação do Excepcional (ADERE) estarão expostos à visitação pública no Salão Nobre do Arquivo Nacional, na cidade do Rio de Janeiro, sede dos jogos. 

A exposição “Despertar a Criatividade – Jogos Paralímpicos” foi inaugurada no último dia 9, com a presença do ministro da Justiça e Cidadania, Alexandre de Moraes, e da secretária Especial dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Roseana Estrela.

As obras, da autoria dos jovens e adultos com deficiência intelectual, foram realizadas durante as oficinas que trabalham habilidades motoras, cognitivas, criatividade, organização, raciocínio lógico, convivência em equipe, dentre outras, todas significativas para a construção de uma autoestima fortalecida e de mais autonomia para a vida.

Paralelamente a isso, a questão da inclusão por meio do esporte foi amplamente discutida com os atendidos, tanto sobre as motivações que nos levam a vencer limites, como o papel desses para-atletas como representantes do País, em um momento ímpar em que o Brasil sedia os jogos.

Outro aspecto que as obras trazem é a da sustentabilidade ambiental, que permeia todas as ações da ADERE. Por isso, os materiais utilizados para a realização dos quadros são recicláveis.

Para o público visitante, a exposição pretende mostrar a capacidade criativa de pessoas com deficiência intelectual, seu olhar estético sobre um tema importante como as paralimpíadas, o respeito ao meio ambiente e o papel da sociedade em acolher e valorizar as diferenças como contribuições reais e sensíveis à construção de uma nação mais justa e igualitária para todos.

Serviço
9 a 18 de setembro de 2016
Segunda a sexta-feira, das 9h às 18h
Salão Nobre do Arquivo Nacional, Praça da República, 173, Centro, Rio de Janeiro, RJ
Entrada franca