Espetáculo “BOI” no Castelinho do Flamengo

“A existência obriga a decisões firmes.”

O grupo teatral ALERTA – Pesquisa Dramática apresenta em 2016 a volta de seu mais recente projeto de montagem: “BOI”.

A fronteira Norte-Sul
Fazendo sua estreia na zona sul da cidade, peça estará em cartaz, em curta temporada no Centro Cultural Oduvaldo Vianna Filho, o popular Castelinho do Flamengo, importante espaço de promoção de Arte e Cultura da Cidade do Rio de Janeiro.

Trajetória do espetáculo
Em 2014, a iniciativa de realização da temporada de “BOI” no Pequeno Engenho das Artes – uma antiga casa no bairro do Engenho Novo que há quatro anos se propõe como ponto de encontro de arte e artistas – determina novos rumos ao fazer artístico do grupo ALERTA – Pesquisa Dramática. Aponta um novo pensamento sobre a criação e meios de produção, uma nova estética há algum tempo estudada a partir da obra de Jean-Marie Piemme, “O Máximo de Estéticas Minoritárias”, donde se pensa a criação teatral segundo a mínima necessidade de elementos visuais para a cena, evidenciando radicalmente o ator. Também evidenciou a proposta de descentralização do fazer artístico na Cidade do Rio de Janeiro ao ofertar a sua criação aos habitantes de toda a região do Grande Méier.

Em cena, a manifestação do inconsciente de uma mulher, cuja presença numa espécie de prisão desconhece ou não recorda o motivo. O clima é de inquietação permanente. A cena, dividida nos momentos claro e escuro, produz diversos sons, estimula pensamentos e sensações diversos, o que gerou comentários importantes de algumas pessoas que assistiram as temporadas no bairro do Engenho Novo. A casa, muito antiga contribuiu com o imaginário de cada espectador e com a ambientação criada por cenário, figurinos, luz e som muito específicos, foi ao mesmo tempo promotora e testemunha de diversos tipos de impacto. Assim, a opção pelo Castelinho do Flamengo dá continuidade a essa proposta cênica, por ser um espaço igualmente antigo, de características peculiares.

SINOPSE

Mistério
A chegada. A entrada. Tempo…? A mulher envolta, perplexa. Em cena, uma mulher cuja presença numa espécie de prisão desconhece ou que não se recorda do motivo de ter chegado àquele lugar. De um modo ou de outro busca uma saída. Mas percebe que é cada vez mais impregnada pela atmosfera que a oprime e aprisiona. Um homem a levou àquele lugar. Quem?Diante de si, uma figura decadente que pode ser a chave para as suas dúvidas. 

Ela precisa saber o que aconteceu.

O GRUPO
Criado em fins de 2004 e iniciado suas atividades em 2005 como um projeto de desenvolvimento de dramaturgia, busca um novo modo de concepção artística e viabilização da produção a partir do essencial, do minimalista. Um aprofundamento estético e temático com a linguagem do suspense, envolvendo o público não numa simples trama, mas na atmosfera reinante e nas ações e reações dos personagens ou arquétipos, num ritmo intenso e vertiginoso. Trabalhamos sob a premissa de ser o Teatro uma habitação do pensamento coletivo a partir de experiências individuais.

ALERTA – Pesquisa Dramática: histórico de atividades

  • Espetáculos | “Plataforma 4, linha D” – 2005 – Teatro Glauce Rocha / Auditório Murilo Miranda| “Trincheira 701” – 2007 – Teatro Villa-Lobos / Espaço 3 | “anticontemporaneo? ou Chupa essa manga!”  – 2008 e 2009 – SESC Tijuca / Teatro 2 | “ISIANE” – 2013 – Teatro Municipal Maria Clara Machado | “BOI” – 2014 – Pequeno Engenho das Artes
  • Esquetes em festivais | “Meu Craque!” (Geringonça – SESC Tijuca 2005) | “Assim caminha a Justiça!” (Mercadão Cultural – Teatro Carlos Gomes 2006)| “Fui parar na Gardênia Azul!!!” (2º. Festival de Esquetes do Rio – Casa de Cultura Laura Alvim 2007)
  • Participações em mostras teatrais | Novíssimas Pesquisas Cênicas – SESC Tijuca 2008 | A Cena da Cidade – IBAM 2009, ambas com “anticontemporaneo? ou Chupa essa manga!
  • Leituras dramatizadas | “ISIANE” – CIB – Clube Israelita Brasileiro | Drama tempo – Espaço Cultural Sérgio Porto 2006 | “BOI” – Midrash Centro Cultural – abril de 2014
  • Prêmios | 3º. Lugar – Júri Popular – Novíssimas Pesquisas Cênicas – SESC Tijuca 2008 – “anticontemporaneo? ou Chupa essa manga!

O AUTOR; ATOR E DIRETOR

Afonso Henrique Soares é ator, formado pela CAL – Casa das Artes de Laranjeiras em 1995 e desde então trabalhou como ator em diversos espetáculos, dirigidos por nomes como Gilberto Gawronski; Renato Borghi; Paulo de Moraes; Felipe Vidal, Lenerson Polonini, entre outros. A partir de 2005, à frente do ALERTA – Pesquisa Dramática como autor, atuou na maioria dos projetos, passando também a dirigi-los.

ELENCO

Aline Gomes – atriz, diretora teatral, pedagoga e especialista em acessibilidade cultural; iniciou no teatro em 1996, com o grupo Mirante, da Universidade de Fortaleza, com o qual ganhou diversos prêmios. Passou por outros grupos, participou de festivais nacionais e internacionais, como o FITEI – Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica, em Portugal. No Rio, atuou em diversos espetáculos, trabalhou com importantes diretores como Jiddu Saldanha e Bruce Gomlevsky e também iniciou o seu trabalho como diretora.

Victor Nalin – ator, com vinte anos de atividades, entre teatro e cinema, trabalhou com importantes diretores como Felipe Vidal; Claudio Torres Gonzaga; Guilherme Miranda, entre outros. Participa do projeto “Bibliotecas do Mundo”, voltado ao público infanto-juvenil e de montagens teatrais nascidas no Pequeno Engenho das Artes, espaço de pesquisa e criação na zona norte carioca com os espetáculos “BOI”, de Afonso Henrique Soares e atualmente com “Casa a Venda”, de Cecília Terrana.

A PALAVRA DO DIRETOR
Em fins de 2013 me ocorria a ideia de criar novas obras, novos textos que propusessem outros tempos de duração. Mas também era hora de repensar os meios de se produzir. Uma linguagem que demande a economia de tais meios. Uma busca pelo minimalismo talvez… Mais foco no jogo dos atores e suas potencialidades. Peças teatrais mais curtas. Ao mesmo tempo um exercício de objetividade e uma dose a mais de subjetividade no jogo. Um jogo instigante num turbilhão de sensações e de impactos onde o tempo nem é sentido. A vida feita de momentos breves onde tantas coisas podem acontecer.

APOIOS
A produção hoje conta com os apoios da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro; Café 3 Corações; UAU! – Meias extravagantes para pernas inquietas; Aquaredes e Espaço Gruta.

FICHA TÉCNICA

“BOI”

Texto | Concepção| Direção Afonso Henrique Soares
Elenco Aline Gomes; Victor Nalin e Afonso Henrique Soares
Participação especial Leonardo Genesis
Cenário | ALERTA – Pesquisa Dramática
Cenotécnica | Mariana Scarambone
Figurinos | Marina Pereira e ALERTA – Pesquisa Dramática
Light Design-Instalação Mônica Ann Diniz
Sons Afonso Henrique Soares
Divulgação Alexandre Aquino
Redes sociais ALERTA – Pesquisa Dramática

Filmagens Nanda Scarambone Jayanetti
Fotos Alex Gaudêncio

Produção e Realização ALERTA – Pesquisa Dramática

SERVIÇO
De 10 a 25 de junho de 2016
Castelinho do Flamengo
Sextas e sábados às 20:00 horas
Duração: 40 minutos (aproximadamente)
ENTRADA FRANCA
Senhas distribuídas uma hora antes do espetáculo.
Lotação máxima: 10 pessoas.
Classificação etária: 16 anos.

DEIXE UM COMENTÁRIO