Em Tango aDois, Luis Arrieta e Irupé Sarmiento evocam o sentir profundo do homem urbano

Luis Arrieta e Irupé Sarmiento
Luis Arrieta e Irupé Sarmiento

Ao lado da jovem conterrânea Irupé Sarmiento, o bailarino e coreógrafo argentino Luis Arrieta abre a programação de abril do Centro de Referência da Dança de São Paulo – CRDSP – espaço onde funcionou a Escola Municipal de Bailado por 70 anos -, com o espetáculo “Tango aDois”, nos próximos dias 1 e 2 (sexta e sábado), às 19h. A entrada é grátis.

Em “Tango aDois”, o coreógrafo dá continuidade ao pensamento do trabalho anterior “Tango aDeus”, solo onde tentou  esgotar todas as tentativas de significado, a partir do nome da peça, que podia tornar-se “tango adeus”, “tango a Deus”, Tango Ad Eu’s,  Tango@Deus, Tan Go (ir em inglês) a Deus, construindo uma quase poesia concreta cujo conceito penetra na obra, uma vez que  transpõe a tradicional música e ritmo portenhos para uma composição geométrica de corpo e espaço em novas combinações.

No duo, os bailarinos trazem ao palco movimentos, situações e ocupações de modo a acionar outros meios de percepção, provocar sensações únicas e levar cada pessoa a criar seu próprio espetáculo. “Pode ser que cada um veja um tipo de tango nunca visto ou mesmo que enxergue o tradicional, mas provavelmente irá reconhecer situações comuns à sua própria vida, supõe o bailarino argentino radicado no Brasil há 40 anos.

Para além da associação à tradicional vida portenha, a obra traz o tango como som intrínseco da cidade e do sentir profundo do homem urbano. “Já não é mais a música de uma geração. É aquela que ecoa e dói no território do corpo, que nos habita e impregna com sua incansável queixa”, exprime Arrieta.

O encontro dos bailarinos é um desejo antigo de ambos. “Eu entrei nesse diálogo com Arrieta para trazermos à luz o que ele conversava com seus próprios pensamentos sobre a icônica imagem da dança do tango”, diz Irupé. Para ela, na coreografia, apoiada pelo apuro das composições de Sebastián Piana, Homero Manzi, Rodolfo Mederos, Juan Carlos Cobián, do russo Leonid Desyatnikov e do georgiano Giya Kancheli, reside a essência do tango, então expressa pelo movimento dos corpos.

Luis Arrieta e Irupé Sarmiento
Luis Arrieta e Irupé Sarmiento

Os artistas
Autor de mais de 150 obras, Luis Arrieta foi diretor artístico do Balé da Cidade de São Paulo, na década de 1980, e em seus 40 anos de profissão criou e continua a criar para companhias como Balé Teatro Castro Alves, Ballet Municipal do Natal, Ballet del Teatro San Martín, La Habana Ballet Nacional de Cuba, Ballets San Juan e ainda Rede Manchete de Televisão.  

Irupé Sarmiento foi a primeira bailarina do Ballet Contemporâneo del Teatro General San Martín, de 2004 a 2008, e solista da São Paulo Companhia de Dança, de 2008 a 2012. Desde 2013, integra o elenco do BCSP. 

Serviço: Tango aDois, duo de Luis Arrieta com Irupé Sarmiento

Dias 1 e 2 de abril (sexta e sábado, 19h).

Centro de Referência da Dança de São Paulo – CRDSP (Baixos do Viaduto do Chá, s/nº – ao lado do Teatro Municipal – próximo à Estação Anhangabaú do Metro – fone: (11) 3214-3249)

Lotação: 60 lugares

Duração: 60 min.

Classificação etária: livre

Entrada: grátis

Ficha Técnica

Concepção, Coreografia, Figurino, Iluminação e Ambientação: Luis Arrieta

Interpretação: Irupé Sarmiento e Luis Arrieta

Música: Sebastián Piana/Homero Manzi, Rodolfo Mederos, Juan Carlos Cobian, Leonid Desyatnikov, GiyaKancheli

Iluminador: Silviane Ticher

Produção: Cassia de Souza  / Sala de Produção

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui