Dona Penha combina frescor e versatilidade na medida certa

Divulgação
Divulgação

Musicalidade. Foi o que aproximou quatro amigos e uma dama. O talento e a sensibilidade para criar e executar músicas uniu os integrantes da banda Dona Penha, criando um som eclético que nasce da mistura de influências diversificadas e igualmente ricas: funk, rock, soul, gospel e MPB.

Primeiro chegaram os rapazes. Gabriel Salles na guitarra, Raphael Tiago na bateria, Victor Elias no baixo e Vinicius Dantas também na guitarra formavam o quarteto que se encontrava entre um compromisso e outro para “tirar um som”. Durante três anos seguiram colecionando Jam Sessions e apresentações no cenário independente. Mas, mesmo afinados e harmoniosos, os instrumentos precisavam de uma voz para verbalizar a emoção. E, em 2010, Lih Moreira, integrou a banda com seu tom cheio de negritude, doçura, força e versatilidade. Suas influências que vão de Bezerra da Silva a Nelson Gonçalves, passando pelo Gospel e Rock Brasil, encontraram um aconchego no Funk e Soul dos meninos. O grupo consolidou a formação, virou uma estrela de cinco pontas e encontrou o seu lugar. Dona Penha começara a brilhar.

Em 2012 a banda lança seu primeiro single, chamado “Menina”, e recebe uma grande aceitação do público. A repercussão é positiva e os fãs e convites para shows, participações de eventos e festivais começam a aumentar. Depois, em 2015, a nova música “Não é o bastante” chega para alimentar o gosto do público e consolidar uma identidade eclética e descontraída. Ao longo do caminho Dona Penha expandiu o repertório, aperfeiçoou os talentos e se apresentou em alguns concursos. Os prêmios vieram corroborar o trabalho: Banda Vencedora do Festival Expressão Livre, de Minas Gerais, com a música “Não é o bastante”; Melhor Baixista e Melhor Vocalista no FBI – Festival de Bandas Independentes, no Rio de Janeiro, e 4º lugar com a música “70×7”, no Festival Planeta Rock, em São José do Rio Preto.

Toda essa energia vinda da diversidade dos ritmos que compõem a essência da banda reflete no palco com shows dançantes, gingados irreverentes, ritmos contagiantes e vocal potente. Dona Penha conquistou não só os ouvidos dos amantes da boa música, mas também seus corpos, sempre convidados a se entregar durante as apresentações calorosas e envolventes. O nome da banda é uma homenagem à avó do baixista que acolheu o grupo com muito carinho durante os ensaios que aconteciam em sua casa. Então, Dona Penha cresceu assim, cativante, puro aconchego, sem preconceitos, recebendo a todos de braços abertos, com gostinho de bolo e cafezinho fresco.

Atualmente o quinteto da Zona Oeste se prepara para lançar nos próximos meses um clipe e seu primeiro EP, gravado em um dos estúdios mais tradicionais do Rio, a Toca do Bandido, prometendo estourar com mais sucessos, potência e singularidade. Dona Penha não possui um estilo definido, só a avaliação de quem ouve: música de qualidade para ouvir, dançar e encantar. Acredite, será um prazer conhecer a Dona Penha!

Serviço:

Data: 06/03

Local:  Confraria dos Barbas

Endereço: – Praça do Pomar – Barra da Tijuca

Entrada Franca

Horário: 20h

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui