Divertida Mente complexo

Engraçado e inovador sob diversos aspectos, com um visual bonito de se ver. Divertida Mente segue a mesma linha de “Up”, também dirigido por Pete Docter, sendo uma animação que pode tocar tanto os adultos quanto as crianças. A produção ousou ao trabalhar de forma lúdica assuntos considerados “pesados” por muitos. A mudança de lar e de cidade, a rebeldia adolescente à repudia pelas transições dentro de casa e na escola. À parte as qualidades, o filme não foi bem sucedido em personificar as emoções humanas, pois reproduz certos clichês, que se assimilados inconscientemente pelos espectadores, podem ser perigosos.

Riley era uma menina feliz e satisfeita com sua vida. Até o momento em que se vê forçada a sair da zona de conforto. Por conta do trabalho, seu pai precisa mudar de Minnesota para São Francisco, levando junto a família. É aí que tudo começa a desandar na vida da jovem.  Ela passa a ficar distante dos pais, rebelde, chegando até a brigar com sua melhor amiga através da internet.

A novidade introduzida pela animação é a perspectiva sob a qual é narrada a história, a partir do interior da cabeça de Riley. Temos no comando das ações, os personagens-emoções: Alegria, Tristeza, Raiva, Medo e Nojinho. A radiante Alegria trabalha bastante para tentar deixar tudo em ordem. Ajudada pelos outros, tem sempre que vigiar a depressiva Tristeza, para que não cause nenhum estrago. Estas duas saem em uma jornada no interior das partes distantes e obscuras da mente, para tentar ajudar Riley a recuperar a felicidade perdida depois das mudanças pelas quais teve que passar.

Divulgação

Detalhes que para muitos podem passar despercebidos, valem aqui ser destacados. Primeiro, a parte física e comportamental da composição das personagens Alegria e Tristeza. Enquanto a primeira é magra, bem disposta, e brilhante, a outra é “gordinha” e “nerd”, bem como preguiçosa e depressiva. Clichês perigosos que podem facilmente ser naturalizados inconscientemente pelas crianças. Além disso, vemos em uma cena, o interior da cabeça do pai, onde se insinua que ele só se preocupa com futebol, enquanto na da mãe, um sedutor piloto brasileiro é o principal pensamento. Reproduzindo assim a ideia do homem e da mulher com as cabeças vazias.

Divertida Mente pode tanto fazer rir como chorar. É um filme profundo pela moral final da história, e é justamente por isso que vale a pena ser visto. Ao mesmo tempo, é leve pelas piadas e brincadeiras. Foi pensado para ser assistido em família. Sendo assim, já conseguiu arrebatar todo o tipo de público para as salas de cinema.

Ficha Técnica:
Título: Divertida Mente
Título Original: Inside Out
Ano: 2015
Direção: Pete Docter, Ronaldo Del Carmen
Elenco: Dubladores na versão brasileira: Miá Mello, Katiuscia Canoro, Dani Calabresa, Otaviano Costa, Léo Jaime

 

REVIEW GERAL
Sopa Morna
Artigo anteriorA Vida Nova de Laura
Próximo artigo“Ainda aqui” no Teatro Municipal de Niterói
Historiador e Especialista em Arquivologia. Escritor nas horas vagas. Afeito a temas relacionados a literatura, música, cinema, TV, arte e cultura de uma maneira geral.

DEIXE UM COMENTÁRIO