Após estrear no Espaço Sesc – Sala Multiuso, em abril de 2015, numa bem-sucedida temporada, o espetáculo “Consertam-se Imóveis” chamou a atenção da crítica entrando para a lista dos melhores espetáculos apresentados no 1º semestre do ano. Com ingressos esgotados em todas as sessões, recebeu atenção dos principais veículos de comunicação carioca e críticas positivas em todos os aspectos da montagem. Em junho, cumpriu sua segunda e curtíssima temporada de apenas 5 apresentações, no Teatro Glauce Rocha. E em agosto, realizou temporada de 1 mês na Sede das Cias. Atualmente a peça está em circulação pelas unidades dos Sesc’s Rio de Janeiro.

A peça, fruto do reencontro artístico de Cynthia Reis, Eduardo Cravo, Jarbas Albuquerque, Raquel Alvarenga e Suzana Nascimento e do desejo de continuidade do trabalho iniciado com a primeira peça que os reuniu, “O que você gostaria que ficasse” criada no Brecha Coletivo, sob a concepção e direção de Miguel Thiré, em 2012, reestreia dia 11 de junho, 21h, onde cumpre temporada de quinta a sábado, 21h e domingos, 19h, até o dia 31 de julho no Teatro Poeirinha, zona sul carioca.

O grupo propõe agora uma circularidade de funções, ampliando o desenvolvimento de uma linguagem estética, ficando a cargo de Cynthia Reis a direção, também idealizadora do projeto, e faz um mergulho inspirador no universo de Julio Cortázar.

Mais propriamente a partir do conto “A Saúde dos Doentes”, do Cortázar, o texto de Keli Freitas flerta com o estranho e com o fantástico – muito presente na obra do autor argentino e aproxima do cotidiano, das reflexões de ordens social, humana e filosófica, investiga os paradoxos nas relações humanas e seus artifícios a partir do poder que a palavra tem de remodelar a verdade, desestabilizando assim os lugares comuns da verdade e da mentira; da realidade concreta e da realidade construída. Traz à superfície farto material para a análise das contradições verificáveis num universo pertencente a todos: o sistema familiar.

SINOPSE
“Consertam-se Imóveis” conta a história de uma família cuja trama é firmemente entrelaçada, figurando no centro um nó fundamental: a mãe, idosa e enferma. Ao se verem diante de situações inesperadas e de um iminente colapso, todos os seus membros se articulam em desdobrados esforços para poupar a matriarca de sobressaltos que podem ser fatais. Com relativo êxito, este controle dura até que alguns acontecimentos escapam novamente do roteiro inicial, obrigando-os a investir toda a energia em empreender novas mudanças justamente para que nada mais mude. 

FICHA TÉCNICA

Idealização e direção: Cynthia Reis
Texto: Keli Freitas
Elenco: Eduardo Cravo, Jarbas Albuquerque, Raquel Alvarenga, Suzana Nascimento.
Stand in: Rosanna Viegas e Kakau Berredo
Cenário: Lorena Lima
Figurino: Bruno Perlatto
Iluminação: Paulo Cesar Medeiros
Composição e direção musical: Federico Puppi
Orientação filosófica: Alexandre Mendonça
Fotografia: Guga Millet e Chico Lima
Projeto gráfico: Raquel Alvarenga
Direção de produção: André Roman
Produção executiva: Lucimar Ferreira
Produção: AR Produções
Realização: Tucanae Produções

SERVIÇO:

Reestreia: 11 de junho de 2016
Temporada: De 11 de junho até 31 de julho de 2016

Horários: quinta a sábado 21h, domingo 19h

Local: Teatro Poeirinha, Rua São João Batista, 104 – Botafogo.
Ingresso: R$40,00 (inteira) R$20,00 (meia)
Gênero: Comédia Dramática
Duração: 70 min.
Classificação: 14 anos

DEIXE UM COMENTÁRIO