Concerto Giuseppe Verdi no Theatro Municipal Rio

No programa, o Coro, a Orquestra Sinfônica do TM e solistas convidados executarão o famoso ‘Requiem’

Coro e Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal (foto: JJúlia Rónai)
Coro e Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal (foto: JJúlia Rónai)

A Fundação Teatro Municipal do Rio de Janeiro, vinculada à Secretaria de Estado de Cultura (SEC), apresenta o Concerto Giuseppe Verdi, com oRequiem para solistas, coro e orquestra no dia 30 de abril, às 16h. Com o patrocínio do BNDES, o espetáculo com o Coro e a Orquestra Sinfônica do TMcontará com participações dos solistas convidados, a soprano Daniella Carvalho, a mezzo-soprano Ana Lúcia Benedetti, o tenor Paulo Mandarino e o baixoCarlos Eduardo Marcos, todos sob a regência do Maestro Jacques Delacôte.

“No Requiem encontramos música de grande intensidade, própria de um compositor que passou a vida revelando o sentido dramático das palavras. O texto doRequiem é o libreto para o qual o compositor criou uma música poderosa que, assim como suas óperas, não encontra paralelo em nenhum outro compositor italiano do mesmo período. Verdi assume, portanto, o protagonismo também na música sacra e reina praticamente sozinho, mesmo em terreno onde produziu tão pouco”, comenta o Diretor Artístico do Theatro Municipal, André Cardoso.

A obra
Apresentado pela primeira vez em 22 de maio de 1874, o Requiem foi criado para marcar o primeiro aniversário de morte do poeta e romancista Alessandro Manzoni, por quem Verdi nutria grande admiração. Obra da maturidade de Verdi, a peça se vale de ritmos vigorosos, melodias sublimes e grandes contrastes dramáticos, com uma escrita de imensa qualidade. Sucesso imediato em diversos lugares onde foi apresentado, desde a sua estreia, quando regido pelo próprio compositor, na Igreja de São Marcos, em Milão. O Requiem de Manzoni, como a obra também ficou conhecida, traz uma versão do Libera me  que teria sido originalmente composta para o compositor Gioachino Rossini, morto em 1868. Verdi sugeriu a vários compositores uma criação conjunta de um Réquiem para o mestre. Para si, tomou o Libera me para desenvolver. No ano seguinte, uma missa para Rossini foi composta por treze profissionais e sua estreia marcada para o primeiro aniversário de morte do mestre. Porem a quatro dias da estreia da obra, o comitê organizador abandonou o projeto e a obra caiu no esquecimento. Com a morte de Manzoni, ele decide compor um Réquiem. Desta vez, o faz sozinho e utiliza versão do seu Libera me.

Os solistas

Daniella CarvalhoSoprano

“Voz de vinho escuro e expressivo… presença de palco inesquecível.” 
Daniella é mestre e bacharel em canto pela Manhattan School of Music e se apresentou em palcos na Itália, Áustria, Estados Unidos e Brasil. Recentemente, interpretou Suzel em L’Amico Fritz, Suor Angelica e Butterfly com a Miami Lyric Opera, Mimi e Tosca com a Sinfônica de Sergipe.  Foi solista na Misa Azteca de Gonzalez no Carnegie Hall e cantou a Sinfonia Mata Atlântica de Ricardo Tacuchian com a Orquestra Sinfônica Brasileira. Performances anteriores incluem Gretel, Nedda, Micaela, Condessa, Donna Elvira, Cora Lee (Bake Shop Ghost), Pure Maud (Maud Powell), Giggly Girl (Fábulas de Esopo), Belinda (Dido and Aeneas) e Geraldine (A Hand of Bridge).  Estreou em New York como vencedora do “Artist International Competition at Weill Hall”. Seu repertório inclui obras raras como Luonnotar de Sibelius, Songs of a Wayfarer de Mahler, Verão de 1915 de Samuel Barber, Cantata de Strawinsky, Rejoice in the Lamb de B. Britten etc.

Ana Lucia Benedetti – Mezzo-soprano

Vencedora do 1º lugar no 9º Concurso de Canto Maria Callas (2009), do prêmio Melhor Voz Feminina no IV Concurso Estímulo para Cantores Líricos Carlos Gomes (2011), 3º lugar no Concurso Internacional de Canto Bidu Sayão (2011) e finalista do VI Concurso de Interpretação da Canção de Câmara Brasileira (2004). Debutou como Ulrica em Un Ballo in Maschera no Palácio das Artes de Belo Horizonte (2013), como Lola em Cavalleria Rusticana no Theatro São Pedro (2009) e, em 2014, estreou no Theatro Municipal de São Paulo como Inês em Il Trovatore. Cantou na Série TUCCA de Concertos – Sinfonia n.9 de Beethoven (Sala São Paulo), Homenagem a Maria Callas (Theatro São Pedro), Oratório de Natal de C. Saint-Säens (Sala São Paulo) etc. Natural de São Paulo, estudou piano no Conservatório “Ars et Scientia” e é bacharel em Canto pela Faculdade Mozarteum na classe de Francisco Campos Neto. Estudou também com Hildalea Gaidzakian, Marcos Thadeu e Regina Elena Mesquita. Atualmente é orientada por Isabel Maresca.

Paulo MandarinoTenor

Com sólida formação musical, Paulo Mandarino destaca-se no cenário lírico como intérprete de personagens que vão do clássico ao verismo. Ganhador da Bolsa Virtuose, concedida pelo Ministério da Cultura a profissionais consagrados, estudou na Accademia Lirica Italiana, em Milão, com o tenor Pier-Miranda Ferraro. Apresentou-se em concertos nas cidades de Paris, Milão, Roma, Viena e Budapeste. Em 2015, teve sua estreia no papel-título da ópera Oedipus Rex, de Stravinsky, e também como Arnold em Guilherme Tell, de Rossini, no Theatro São Pedro, em São Paulo. Alguns de seus papéis principais são Riccardo/Gustavo, em Un Ballo in Maschera; Duca di Mantova, em Rigoletto; Edgardo, em Lucia di Lammermoor; Rodolfo, em La Bohème; Cavaradossi, emTosca; Pinkerton, em Butterfly; Hoffmann, em Les Contes d’Hoffmann; Idomeneo, na ópera homônima de Mozart. Na música de concerto, tem interpretado oRequiem e Inno delle Nazioni, de Verdi; Stabat Mater e Petite Messe Solennelle, de Rossini, e Requiem, de Berlioz, entre outras obras.

Carlos Eduardo Marcos – Baixo

Natural de São Paulo, Carlos Eduardo graduou-se em Música e Direito e obteve título de Mestre em Teologia. Estudou canto lírico com Mitzi Frölich, Caio Ferraz e Benito Maresca. Um dos baixos mais ativos do Brasil, Carlos Eduardo já interpretou os principais papéis de seu registro nas óperas Otello, Nabucco, Aida,Rigoletto, La Forza del Destino, Il Guarany, Le Nozze di Figaro, Il Barbiere di Siviglia, The Rake’s Progress, Lohengrin, Gianni Schicchi, Madama Butterfly,Tosca, La Bohème, L’Elisir d’Amore, Pélleas et Melisande, Salome, Ariadne auf Naxos, Der Rosenkavalier e Jenufa, entre outros títulos. Tem participado também de estreias mundiais de óperas brasileiras como O Anjo Negro, de João Guilherme Ripper, e Olga, de Jorge Antunes. Tendo atuado nos mais importantes teatros do país, Carlos Eduardo já cantou sob a regência de Francesco La Vecchia, Gianluca Martinenghi, Ira Levin, Isaac Karabtchevsky, John Neschling, Richard Armstrong, Roberto Minczuk, Roberto Tibiriçá e Silvio Viegas, entre outros. Atualmente é professor de canto lírico na Escola Municipal de Música de São Paulo – SP.

O regente

Jacques Delacôte nasceu na França. Estudou no Conservatoire National Supérieur de Paris e na Wiener Akademie für Musik, onde foi aluno de Hans Swarowsky. Trabalhou como assistente de grandes nomes da música como Darius Milhaud e Leonard Bernstein. Em 1971 foi o vencedor do Concurso Dimitri-Mitropoulos, em Nova York, dando início a importante carreira internacional. Em 1972 estreou com a Filarmônica de Nova York e passou a atuar como convidado de conjuntos como a Orquestra de Cleveland, Sinfônica de São Francisco, Sinfônica de Montreal, Orquestra de Paris, Orquestra Nacional da França, Sinfônica e Filarmônica de Londres, Royal Philharmonic, Orquestra de Câmara Inglesa, Nacional da Escócia, Sinfônica de Viena, Orquestra Real da Bélgica, Orquestra Real da Dinamarca, Filarmônica de Israel e Filarmônica de Tóquio. Dentre as orquestras de rádio se destacam a BBC de Londres, a RIAS de Berlim, a SDR de Stuttgart, a SWF Baden-Baden, a WDR Köln, BR München e MDR Leipzig. É presença constante nos mais importantes palcos e salas de concertos do mundo, como as Óperas de Viena, Munique, Hamburgo, Stuttgart, Berlim e Dresden, no Royal Opera House Covent Garden, na English National Opera, na Ópera de Paris e em teatros de cidades como Barcelona, Bruxelas, Zurique, Copenhagem, Estocolmo, Veneza, Chicago, Pittsburg, Montreal, Toronto, Tokyo, Buenos Aires e São Paulo.

Coro e Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal (foto: JJúlia Rónai)
Coro e Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal (foto: JJúlia Rónai)

SERVIÇO

CONCERTO GIUSEPPE VERDI

CORO E ORQUESTRA SINFÔNICA DO THEATRO MUNICIPAL

Programa: Requiem para solistas, coro e orquestra

I – Requiem e Kyrie (quarteto solista, coro)
II – Dies Irae
III – Offertorio (quarteto solista)
IV – Sanctus (coro)
V – Agnus Dei (soprano, mezzo, coro)
VI – Lux Aeterna (mezzo, tenor, baixo)
VII – Libera Me (soprano, coro)

Solistas:

Daniella Carvalho – soprano
Ana Lúcia Benedetti – mezzo-soprano
Paulo Mandarino – tenor
Carlos Eduardo Marcos – baixo

Regência – Jacques Delacôte 
Theatro Municipal do Rio de Janeiro
Praça Floriano s/n° – Centro 

Dia 30 de abril, sábado, às 16h

Preços:

  • Frisas e camarotes – R$ 504,00
  • Plateia e balcão nobre – R$ 84,00
  • Balcão superior – R$ 60,00
  • Galeria – R$ 30,00

Desconto de 50% para estudantes e idosos

Capacidade – 2.227 lugares

Classificação etária – Livre 

Duração – 90 minutos

Informações: (21) 2332-9191

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui