Comunidade dos Países de Língua Portuguesa debate Violência, Memória e Identidade

Encontro reúne artistas e profissionais da saúde mental e da cultura entre 12 e 14 de maio em Lisboa

CongressoO I Congresso de Psicanálise em Língua Portuguesa – que será realizado de 12 a 14 de maio em Lisboa – reunirá artistas, intelectuais e profissionais da cultura e da saúde mental para debater as linhas de identidade e diversidade dos oito países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e de Macau.

“O evento contribui para reduzir o distanciamento que as nossas diferentes culturas mantêm entre si. Oferece, também, pela primeira vez, a oportunidade de um verdadeiro exercício de psiquiatria e psicanálise de forma transcultural, com contribuições brasileiras, portuguesas e africanas”, diz o psicanalista Ney Marinho, coordenador da Comissão Organizadora Brasileira.

Participarão do evento artistas e intelectuais como o escritor angolano José Eduardo Agualusa, o poeta cabo-verdiano Filinto Elísio, o sociólogo macaense Carlos Piteira e o artista plástico luso-angolano Nomen, cuja obra inspirou o cartaz do Congresso, além de psicanalistas e psiquiatras de todos os países da comunidade lusófona. Também haverá participantes que vivem em outros países, como o pintor e psicanalista Gilberto Villela, residente na Itália.

Seminários clínicos e psicodrama
O trinômio “Violência, Memória e Identidade” foi escolhido como tema central do Congresso. Além de um conjunto de painéis com apresentações e debates, estão programados seminários clínicos e atividades de psicodrama.

O evento terá a participação de representantes de todos os países da CPLP – Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste – além de Macau e de núcleos de emigrantes, com quase 250 milhões de pessoas.

A iniciativa do encontro é da Federação Brasileira de Psicanálise (FEBRAPSI) e da Sociedade Portuguesa de Psicanálise (SPP), que contam com o apoio da Sociedade Brasileira da Psicanálise do Rio de Janeiro (SBPRJ), da Federação Latino-americana da Psicanálise (Fepal) e com patrocínio da Associação Internacional de Psicanálise (IPA) e da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa.