Cidade Maravilhosa recebe o primeiro Festival de Esculturas do Rio

Evento, no Centro Cultural da Justiça Federal, reúne exposição com trabalhos de 27 artistas de diferentes regiões do Brasil, filmes e bate-papos

Leandro Gabriel - foto por Daniel Pinho

De 15 de agosto a 27 de setembro a Cidade Maravilhosa ganha a primeira edição do Festival de Esculturas do Rio. Trabalhos inéditos de 27 renomados artistas de diferentes regiões do Brasil ocuparão todo o segundo andar do Centro Cultural da Justiça Federal, no Centro. Entre os destaques estão os cariocas Frida Baranek, Suzana Queiroga, Antonio Bernardo (designer de jóias) e o coletivo composto por Guga Ferraz, João Marcos Mancha e Leonardt Lauenstein. Também participam o mineiro Jorge Fonseca, o pernambucano Francisco Brennand e a sergipana Claudia Nên.

Idealizada pelo produtor cultural Paulo Branquinho, a exposição reúne artistas de diferentes gerações e estilos e faz parte do projeto Mostra Rio de Esculturas Monumentais, que terá sua segunda edição em julho de 2016, como parte do calendário oficial das Olimpíadas no Rio de Janeiro. “Com tamanha repercussão da primeira edição, em 2014, na Praça Paris, onde tivemos a alegria de receber mais de 60.000 visitantes, fomos convidados pela Prefeitura para realizar uma versão ainda maior no ano que vem, que incluirá o Parque Madureira e outras regiões”, explica.

“A mostra no CCJF é um projeto piloto. Todos os artistas selecionados para a exposição estarão também nas praças públicas, em 2016, com suas esculturas de grande porte”, completa Branquinho.

O designer de jóias Antonio Bernardo apresenta o trabalho Radiolaria Cubo, em prata sterling 925. A obra tem um cubo no centro, de onde parte uma estrutura com tentáculos articulados em degradê, que por serem lúdicos, sensuais e táteis, convidam à manipulação e aproximam o observador do objeto. 

O mineiro Jorge Fonseca, que vive atualmente em Ouro Preto, apresentará um trabalho com cerca de 1,80 m X 1,20m, de uma série de obras feitas com suporte de livros esculpidos em madeira. “Estou fazendo 50 anos e vim de um meio em que sobreviver da arte era quase um sonho impossível. Já fui marceneiro e estes trabalhos representam um repensar na vida”, explica.

O artista, que já expôs em locais como MAM-RJ, Paço Imperial e Pinacoteca de São Paulo, também levará seu trabalho para as ruas da cidade. Ele é o criador do bem-humorado Fiotim (Filhote de Inhotim) – A Oitava Maravilha do Mundo Contemporâneo! –, um trailer com cenário lúdico, que internamente  traz reproduções, em miniatura, das imensas instalações do Inhotim, como o quarto vermelho de Waltercio Caldas.

Durante sete finais de semana (programação abaixo), Jorge (que se apresenta no truck como o personagem Jorge K) vai circular pelo Centro, Zona Sul e Zona Norte. “Minha intenção é fazer uma homenagem ao Inhotim e levar arte de forma divertida e democrática para as pessoas”, diz.

Com uma arte bem regional, Claudia Nên, de Itabaiana, Sergipe, discute o imaginário popular brasileiro e temas da contemporaneidade. Na obra “Gêmeas”, feita em gesso, as tradicionais bonecas nordestinas perdem o tom de celebração e festa, com olhos e bocas arqueados negativamente, para discutir a questão do individualismo e da introspecção.

A carioca Frida Baranek, que vive e trabalha em Nova York, traz para o Brasil uma obra da série Mudança de Jogo, produzida em 2014. O trabalho faz uma referência ao jogo de varetas, tão comum na infância e no imaginário coletivo, com as peças feitas em vidro e borracha. “Proponho uma antiga brincadeira com nova tensão e sensorialidade do material”, explica  artista.

Ainda no CCJF, em paralelo à mostra, serão oferecidos, com curadoria da artista Claudia Dowek, filmes e debates tendo como tema central a escultura tridimensional (ver programação abaixo). Destaque para a exibição, no dia 27 de agosto, da produção Nó de Madeira, de Daniel Paim. O documentário é baseado no Simpósio de Esculturas realizado em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, em 2014. Em seguida, a jornalista Cristina Aragão, da GloboNews, mediará bate-papo sobre arte urbana, com Daniel Paim, o artista Roberto Chagas, que participa da exposição, e com a Gerente de Monumentos e Chafarizes da Prefeitura, Vera Dias.

O Festival de Esculturas do Rio está sendo realizado com os patrocínios da Prefeitura do Rio, Secretaria Municipal de Cultura, Clear Channel, Grupo Libra, Escola Parque, Oceanus Agencia Marítima e Copa Engenharia.

Artistas participantes: Aline Matheus (RJ), Alex Moreira (BA), Ângelo Milani (SP), Antônio Bernardo (RJ), Carlos Muniz (MG), Cenildo Silva (BA), Claudia Dowek (RJ), Cláudia Nêm (SE), Claudio Aun (RJ), Coletivo João Marcos Mancha, Guga Ferraz  e Leonardt Lauenstein (RJ), Coletivo Somo Nosotros (Laura Calleja e Giovani Aprígio) (RJ),Felippe Moraes (RJ), Francisco Brennand (PE), Frida Baranek (RJ), Guianguido Bofanti (RJ), Jorge Fonseca (MG),  Leandro Gabriel (MG), Mercedes Lachmann (RJ), Moema Branquinho (RJ),  Osvaldo Gaia (PA), Pedro Paulo Domingues (RJ), Ricardo Ventura (RJ), Roberto Chagas (RS), Robson Macedo (RJ), Susana Anagua (Portugal),Suzana Queiroga (RJ) e Zé Tarcísio (CE). 

Sobre o idealizador do projeto – Paulo Branquinho é produtor de artes desde 1989, responsável por exposições em alguns dos principais museus e centros culturais do Brasil, entre eles MNBA-RJ, MAM-RJ, Paço Imperial-RJ, MAC-RS, Museu de Arte de Santa Catarina e Palácio das Artes -MG. Ele está à frente do projeto Mostra RIO de Esculturas Monumentais, que teve sua primeira edição na Praça Paris, em 2014, e já tem segunda edição agendada para julho de 2016, como parte do calendário oficial das Olimpíadas.

Entre seus trabalhos estão a exposição retrospectiva do artista Luiz Aquila no Paço Imperial (2012) e  a exposição da artista Monica Barki, no Museu Nacional de Belas Artes (2011/2012).

SERVIÇO – Festival de Esculturas do Rio
Abertura: 15 de agosto, das 15 às 19h
Período: 16 de agosto a 27 de setembro
Local: Centro Cultural Justiça Federal – Av. Rio Branco, 241, Centro, Rio de Janeiro
Horário de visitação: Terça a domingo, das 12h às 19h
Entrada Gratuita
Classificação Livre

Programação Fiotim – das 9h às 18h
16/08 (Domingo) – Praia do Leblon
22 e 23/08 (Sábado e Domingo) – Parque Madureira
28/08 (Sexta-feira) – Cinelândia
30/08 (Domingo) – Praia do Leme
05/09 – Praça Afonso Pena, Tijuca
09 a 13/09 (Quarta a Domingo) – ArtRio e ArtRua
19 e 20/09 (sábado e domingo) Lagoa (Corte do Cantagalo)
27/09 (Domingo) – Aterro do Flamengo

 

Filmes e bate-papo                     

26/08 (quarta-feira) Filmes:

16h – De Braços Abertos (Com roteiro e direção de Bel Noronha, fala sobre a construção do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro.);

19h – Brennand (Com direção de Mariana Brennand, o filme narra a trajetória do pintor, desenhista, escultor e ceramista Francisco Brennand.).

27/08 (quinta-feira) – 18h30

Filme: Nó de Madeira (Produzido por Daniel Paim. Documentário baseado no Simpósio de Esculturas realizado em Santa Maria – RS, em 2014, com depoimentos dos participantes, buscando o entrelaçamento de suas trajetórias).

O filme será seguido de debate sobre arte urbana, com a participação da jornalista da Globonews Cristina Aragão, do artista Roberto Chagas, do produtor Daniel Paim, e da Gerente de Monumentos e Chafarizes da Prefeitura, Vera Dias.

28/08 (sexta-feira)

16h –  Sequência de curta metragens de vídeo arte, produzidos entre as décadas de 80 e 90, em co-produção entre a Studioline Filmes e a Rioarte. (Sérgio Camargo; Perfil da Linha – Amilcar de Castro; Apaga-te Sesamo – Waltercio Caldas; Iole de Freitas; Experiência No 5 – Arthur Barrio; José Rezende; O Nervo de Prata – Tunga.);

19h – Cildo (Produção de Mariana Ferraz, o filme percorre suas obras, procurando entender o processo criativo e o pensamento do artista.).

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui