Centro Cultural Donana, espaço de referência na Baixada, lança curso de inglês gratuito que levará um jovem para intercâmbio fora do país

foto: Diego Gomes
foto: Diego Gomes

O Centro Cultural Donana, um dos principais locais de fomentação de cultura na Baixada Fluminense, está com inscrições abertas para a oficina “O horizonte é logo ali”. Serão seis meses de aulas de inglês e, durante esse tempo, os estudantes serão avaliados quanto à assiduidade, comportamento, desempenho e pontuação. O melhor avaliado ganhará um curso de quatro semanas (20 lições) na International House, na Cidade do Cabo, África do Sul, com acomodação em residência estudantil. Os jovens interessados devem se inscrever pelo site www.donana.org.br.  As aulas terão início no dia 14 em setembro.

Parceiro da instituição, O Rappa é um dos apoiadores do projeto, em parceria com a World Study (www.worldstudy.com.br). A relação da banda com o Donana começou em 2014, quando o baixista da banda, Lauro Farias, nascido e criado no bairro, apresentou a ideia de revitalização do centro aos parceiros, que já conheciam as dependências e atividades realizadas por lá e toparam a empreitada na hora. Para Farias, o Donana sempre foi muito importante, já que ele cresceu naquele panorama e ali se formou como músico e cidadão.

Sobre o curso:

*Serão duas turmas, de 15 alunos cada: uma de 12 a 15 anos e outra de 16 a 20 anos;
*Somente os alunos entre 16 a 20 concorrem a viagem (idade mínima pra viajar é de 16 anos);

*Gratuitas, as aulas acontecerão às quartas e sextas (das 18h as 19h e das 20h as 21h);
*Prioridade para os alunos da comunidade (Belford Roxo e Baixada) e matriculados na rede pública;

Centro Cultural Donana (www.donana.org.br)
O Centro Cultural Donana surgiu em meados da década de 80. Localizado no bairro Piam – proporcionou o fomento a uma geração musical que deu origem a bandas como KMD5, Negril e Cidade Negra. A partir disto, Belford Roxo ganhou visibilidade, deixando para trás o título de “cidade mais violenta do mundo”, segundo dados da época, fornecidos pela ONU.

Em 1994, após a inviabilidade financeira da continuidade das atividades, o Centro Cultural fechou suas portas, já que não contava com nenhum apoio além da equipe voluntária, formada pela família do músico Dida Nascimento. 

O ano de 2009 marcou a retomada do foco cultural no número 197 da rua Aguapeí. Após 15 anos, o Centro Cultural Donana voltava à ativa, graças a iniciativa de uma nova geração voluntária proveniente da Baixada Fluminense, formada por agentes culturais, músicos, cineastas e artistas. Em seu primeiro ano de funcionamento, contando apenas com apoio destes voluntários, o cineclube realizou cerca de 200 sessões gratuitas de filmes, entre infantis e adultas.