Centro Cultural Correios realiza a estreia de “Elogio da Paixão”,  de Marcelo Pedreira, no dia 14 de abril

Canções de Vinícius de Moraes e Tom Jobim pontuam o musical protagonizado pelos atores Adriano Garib, André Arteche e Marina Palha, que tem direção musical de Felipe Habib

O espetáculo musical Elogio da Paixão estreia dia 14 de abril (5af), no Centro Cultural Correios. Com texto e direção de Marcelo Pedreira, a montagem, protagonizada por Adriano Garib, André Arteche e Marina Palha, celebra a beleza de uma filosofia da qual o poeta Vinícius de Moraes foi nosso representante mais icônico: a da vida vivida com o máximo de intensidade e paixão.

Com direção musical de Felipe Habib, “Elogio da Paixão” estabelece um inédito casamento entre a obra do compositor carioca Vinícius de Moraes e a filosofia de Nietzsche, destacando como ambos trabalharam com a afirmação da vida em toda a sua potência, e com a apologia da música popular como expressão maior da alegria de viver.

No roteiro do espetáculo, 11 músicas de Vinícius de Moraes e do maestro Tom Jobim que, em canções imortais, falam do amor e das belezas do Rio de Janeiro, interpretadas ao vivo pelos atores. A montagem, no entanto, se diferencia bastante dos musicais tradicionais ao deslocar a ênfase para a dramaturgia.

Na trama, um ator de 60 anos, Charles (Adriano Garib) contrata um escritor de 29 anos, Daniel (André Arteche), para escrever aquele que seria seu último espetáculo, uma peça de teatro que faça uma apologia à paixão.

Charles é um personagem irreverente, intenso, que se casou nove vezes, movido por irresistíveis paixões. Ator de carreira bem sucedida no teatro, encontra-se com a saúde debilitada, devido aos anos de excessos, e com dificuldade de conseguir trabalho.  Daniel é um jovem e promissor dramaturgo obcecado pelo filósofo alemão Schopenhauer, típico intelectual que não acredita no amor, nem nos códigos românticos que norteiam a vida de Charles. 

Os encontros de trabalho acabam se tornando embates insolúveis entre a natureza poética de Charles e o racionalismo pessimista de Daniel. Dois pontos de virada, no entanto, acabam interferindo na dinâmica desse embate sem saída e desviando a trama para caminhos inusitados.

O primeiro é a entrada em cena da filha de Charles, Fabiana (Marina Palha). Daniel se encanta irremediavelmente pela mulher, que cuida do pai com extrema dedicação. O segundo ponto de virada é a proposta de trabalho que Daniel faz a Charles: a de que o argumento da peça por escrever seja exatamente a reprodução da situação que os dois vivenciam diariamente. Ou seja: um escritor racional é contratado para escrever uma peça sobre paixão para um ator veterano absolutamente passional.

Por Marcelo Pedreira
Em sua obra, Nietzsche defende explicitamente a canção popular e afirma que é preciso despojar a arte do excesso de erudição e resgatar sua identidade primitiva e popular. O filósofo alemão cobrou da estética moderna o laço perdido entre a música erudita e a espontaneidade que ele só via nos cortejos carnavalescos de sua época: “Quem nos cantará uma canção tão ensolarada, tão leve, tão aérea que não espante nem mesmo as cigarras, que, em vez disso, as convide a cantar e a dançar conosco?”.

Quem sabe, Nietzsche reconheceria não só em Vinícius de Moraes – o diplomata erudito que se dedicou à música popular – mas também no próprio povo brasileiro, em especial no carioca – com sua alegria genética e afirmação instintiva da vida – um antídoto contra o niilismo que tanto combatia?

“Quero uma peça que faça as pessoas saírem do teatro embriagadas por uma alegria irracional, com vontade de cantar, de dançar, de escrever poesia em guardanapo de restaurante. Eu quero uma peça que seja uma celebração da vida. Da vida vivida com intensidade, com paixão”.

Canções
Samba do Avião (Tom Jobim)
A Vida Tem Sempre Razão (Toquinho / Vinícius de Moraes)
Como Dizia o Poeta (Toquinho / Vinícius de Moraes)
Samba em Prelúdio (Baden Powell/Vinícius de Moraes)
Pela Luz dos Olhos Teus (Tom Jobim)
Onde Anda Você (Toquinho)
Se Todos Fossem Iguais a Você (Tom Jobim/Vinícius de Moraes)
Minha Namorada(Carlos Lyra/Vinícius de Moraes)
Apelo (Baden Powell/Vinícius de Moraes)
A Felicidade (Tom Jobim/Vinícius de Moraes)
Inútil Paisagem (Tom Jobim)

Ficha Técnica

Texto, Direção e figurino: Marcelo Pedreira
Elenco: Adriano Garib, André Arteche e Marina Palha
Direção Musical: Felipe Habib
Direção de Movimento: Duda Maia
Cenografia e Luz: Paulo Denizot
Assistência de Direção: Beatriz Bertu
Designer Gráfico: Thiago Ristow
Produção Executiva: Aline Mohamad
Direção de Produção: Marcelo Chaffin
Realização: Criaturas Criativas

Serviço

Espetáculo “Elogio da Paixão”
Texto e Direção: Marcelo Pedreira
Elenco: Adriano Garib, André Arteche e Marina Palha 
Local: Centro Cultural Correios
Temporada: 14 de abril a 5 de junho | de 5af a domingo 
Horário: 19h
Preços: R$ 20,00 (inteira – R$ 10,00 (meia)
Endereço: Rua Visconde de Itaboraí, 20 – Centro – Rio de Janeiro
Telefone: (21)2253-1580 (Recepção)
Classificação etária: 12 anos
Duração do Espetáculo: 110 minutos
Lotação do Teatro: 200 pessoas
Horário da bilheteria: De terça à domingo, das 15h às 19h.
Patrocínio: Correios
Site: http://www.correios.com.br/sobre-correios/educacao-e-cultura/centros-e-espacos-culturais-dos-correios/centro-cultural-rio-de-janeiro

DEIXE UM COMENTÁRIO