Centenária, Sinfônica de Piracicaba vai a Campos do Jordão pela 1ª vez

Sinfônica de Piracicaba e Fábio Peron (foto: Rodrigo Alves)
Sinfônica de Piracicaba e Fábio Peron (foto: Rodrigo Alves)

Conjunto de música erudita com maior tempo em atividade no Brasil, a Orquestra Sinfônica de Piracicaba (OSP) integra pela 1ª vez a programação do Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão. O concerto na 47ª edição acontece no dia 9 de julho, às 16h30, na Praça do Capivari. A regência é de Jamil Maluf, maestro piracicabano que em menos de dois anos fez um bem-sucedido projeto de reestruturação do grupo e o colocou em evidência nacional.

Fundada há 116 anos, a OSP é reconhecida por leis municipal e estadual como entidade de utilidade pública. Ela manteve-se, ao longo dos anos, de concertos esporádicos, a partir do empenho de entusiastas da música erudita, muitos ligados à Esalq, a tradicional escola de agronomia da USP. Em sua atual fase, desenvolve as atividades com recursos da Prefeitura do Município de Piracicaba e patrocínio da Raízen e Caterpillar Brasil, por meio da Lei de Incentivo à Cultura.

Com a vinda de Jamil Maluf para as funções de diretor artístico e regente titular, a OSP admitiu novos instrumentistas por meio de processo seletivo e criou temporada regular, com solistas reconhecidos no Brasil e no exterior. Mantém, ainda, um trabalho pedagógico a 9 mil alunos da rede municipal, através dos projetos Música nas Escolas e ABC do Dó Ré Mi, além da palestra O Meu Concerto de Hoje, antes dos seus concertos.

“A nova OSP destaca-se pela evolução e qualidade, em tão pouco tempo de trabalho, e tem agradado de forma esfuziante o público, que lota todas as nossas apresentações”, diz Maluf, que permaneceu por 34 anos no Theatro Municipal de São Paulo, onde criou a OER (Orquestra Experimental de Repertório), com a qual se apresentou em Campos do Jordão pelo menos 15 vezes consecutivas.

Maluf esteve em Campos do Jordão pela última vez em 2014, na regência da OER. Nas 12ª e 34ª edições, ele também atuou como regente da Orquestra do Festival e professor de regência, sendo também diretor pedagógico em duas ocasiões. “Recebi o convite do coordenador artístico-pedagógico do Festival, Fabio Zanon, e aceitei de imediato. Será uma vitrine para a OSP, cujo trabalho de reestruturação repercute em todo o país”, avalia Jamil Maluf.

Para a apresentação na Praça do Capivari, o maestro convidou o bandolinista Fábio Peron, de 25 anos, um dos expoentes da nova geração de instrumentistas. Peron começou a tocar aos 5 anos de idade e dedica-se à composição, pesquisa e arranjo de vários períodos e estilos, tendo como instrumento principal o bandolim de 10 cordas.

O programa traz quatro obras de autoria de Peron (Das Antigas, Vida Linda, Coração nos Dedos e De Fraque no Frevo), com orquestração de Lea Freire. As Danças Sinfônicas, de Grieg, também estão no repertório. “Por ser uma apresentação ao ar livre, optei por um programa de caráter popular e descontraído. O público irá se encantar com a velocidade e expressividade do bandolim, instrumento de cordas dedilhadas que é mais associado ao choro ou ao samba, mas que já foi utilizado por Mozart e Verdi em suas óperas”, contextualiza Maluf.

SERVIÇO – Apresentação da Orquestra Sinfônica de Piracicaba no 47º Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão. Sábado, 9 de julho, às 16h30, na Praça São Benedito (Vila Capivari, Campos do Jordão). Entrada gratuita. Informações: www.fb.com/sinfonicapiracicaba

DEIXE UM COMENTÁRIO