Casa das Caldeiras apresenta “Tempo Forte”

Evento especial com todos os artistas do programa de residência Obras em Construção

Carmem - Mergulho em Águas Plácidas
Carmem - Mergulho em Águas Plácidas

De 03 a 06 de setembro, um dos lugares mais incríveis de São Paulo, a Casa das Caldeiras, abre suas gigantes portas para um evento muito especial: ‘Tempo Forte’, uma mostra dos trabalhos e experimentos do programa ‘Obras em Construção’, que neste ano conta com a participação especial de quatro artistas chineses, além de artistas locais que realizam sua pesquisa e processo de criação dentro na associação. Ótima oportunidade de conhecer as famosas Caldeiras e seus artistas residentes.

MINISTÉRIO DA CULTURA, ALD AUTOMOTIVE E BANCO BARCLAYS APRESENTAM TEMPO FORTE
Todos os anos, a Associação Cultural Casa das Caldeiras, seleciona projetos que tenham algum tipo de relação com o patrimônio para participar do programa OBRAS EM CONSTRUÇÃO. Para apresentar o resultado desta grande ocupação, a Casa das Caldeiras apresenta a mostra TEMPO FORTE, momento em que os artistas residentes apresentam a obra, processo, pesquisa e propõem um olhar sobre temas propõe reflexões sobre a arte e o processo de criação. Uma experiência, uma aproximação e um convite ao público para encontrar-se com os artistas e suas inquietações.

O OBRAS EM CONSTRUÇÃO, que atualmente tem patrocínio do Ministério da Cultura, Ald Automotive e Banco Barclays, busca incentivar a produção independente, a pesquisa e os processos criativos, abrigando grupos, coletivos e portadores de projetos, das mais variadas expressões artísticas.

“O programa valoriza o processo do artista no curso do desenvolvimento de sua obra no local, tendo como desafio a dialética entre Arte e Patrimônio que a Casa das Caldeiras peculiarmente propicia, fomentando um contexto de troca de conhecimentos, métodos e impressões entre seus residentes” – explica Joel Borges, responsável OBRAS EM CONSTRUÇÃO – Programa de residências artísticas e de pesquisa’.

Para esta edição do TEMPO FORTE, a associação prepara uma grande movimentação artística que inclui quatro artistas chineses (DingHao, Zhang Wei, YuGao e Li Zhanyang) que acabam de chegar na cidade para realizar a sua residência artística nas Caldeiras,  em uma parceria firmada com a Beijing 2102 Art Center e a ACCC – WALKING BRICS, além dos diversos projetos que já iniciaram a ocupação desde o início do ano, que prometem agradar e instigar diversos tipos de público.

A artista plástica e educadora Carmem Munhoz, apresenta Mergulho em Águas Plácidas onde propõe uma pesquisa poética entre a fluidez da pintura aquarela, os limites físicos e as relações sócio culturais de pessoas com deficiência. Encarando a pintura como uma forma acessível de arte, a artista propõe ações de pintura e oficinas pensadas para pessoas com deficiência, que estimulam a participação interativa em uma seção aberta e coletiva de Pintura-Dança-Movimento, com assessoria de artistas-terapeutas. 

Já Carolina Sudati, apresenta a performance NOIVA estudos para o concurso I, que explora o arquétipo da noiva,  passando pelo amor e pelos contratos sociais, através de um estudo cênico de manipulação de roupas e do espaço. Para a execução deste trabalho, a performer desenvolveu uma ação de registro de memórias de casamento e coleta de roupas usadas em matrimônios.

Sob a direção de Alexandre Paulain, o Coletivo P.A.Y. (Picanha After Yoga) apresenta Faca Lâmina, obra de dança livremente inspirada no poema Uma faca só lâmina, de João Cabral de Melo Neto.  O coletivo que tem como característica trabalhar com múltiplas linguagens como a da performance, vídeo e instalação, se aventurou na busca de uma corporeidade inserida nesse texto que descreve a relação entre os objetos faca, bala de revolver e relógio dentro do corpo de um Homem.

Dudu Quintanilha apresenta o projeto Ingovernáveis, onde propõe um trabalho de performances gravadas em vídeo, que serão projetados durante o evento. A partir de espaços e contextos alternativos, com corpos com e sem formação artística, o artista investiga relações e encontros, e usa a performance como pretexto para que os experimentos sejam realizados. Para o evento, Dudu preparou vídeos com dois indivíduos, frequentadores de algumas Casas de Acolhida. Um deles propôs uma visita a um hotel na Cracolândia, que acabou sendo registrada para este trabalho.

O bailarino e coreógrafo Marcus Moreno, apresenta A Flor da Lua, um espetáculo de dança sensível e poético, que como o próprio nome diz, faz referência a esta espécie de flor pouco conhecida, que nasce em um cacto, desabrocha e dura apenas uma noite, exalando um perfume intenso, movimentando constantemente suas pétalas, que se abrem a caminho do encerro.

Marcelo Bressanin e Pedro Ricco do DUO B apresentam Volátil, uma instalação sonora resultado das primeiras experiências realizadas pelos artistas que vem pesquisando as características acústicas do edifício Casa das Caldeiras e se apropriando do espaço como uma ferramenta analógica/arquitetônica para edição de áudio.

Mariana Molinos e Felipe Teixeira apresentam Underneath, um estudo para uma Dança-Instalação que dialoga com a noção de permanência, continuidade e “superação de obstáculos” impostos pelo exercício da própria vida. A movimentação vai gradativamente revelando novos ambientes, convidando o expectador a adentrar-se e surpreender-se. De maneira intuitiva, o público é levado a transitar entre os artistas, cuja pesquisa se situa nas fronteiras com as artes visuais, dança, performance e na investigação sob o aspecto da distorção na percepção da passagem do tempo.

Com o projeto Imagem Latente, o fotógrafo e artista visual Marcelo Fontana trabalha com manipulação e sobreposição de imagens.

Coletando materiais ou ideias, tanto no trajeto, quanto no próprio local da residência, o artista Maurício Cardoso utiliza o espaço da Casa das Caldeiras como laboratório, para dar vida ao seu projeto Caminhos Formais, Estéticos e Simbólicos. Ressignificando elementos, interagindo com os trabalhos dos outros residentes e com o próprio território, o artista apresenta um projeto que acontece no âmbito da Arte Conceitual. Ampliando as possibilidades expositivas e se apropriando de territórios inexplorados, o artista parte da ideia de não se estabelecer um fim ou propósito a se alcançar, apropriando-se da própria ideia da residência artística, e sendo literalmente uma “Obra em Construção”, sem a intenção de produzir “obras acabadas”.

O Vulcão, formado por Vanessa Bruno, Livia Vilela, Rita Grillo, Elisa Volpato e Paulo Salvetti apresenta Pulso, um espetáculo solo inspirado num dos ícones da Poesia Confessional norte-americana dos anos 50, Sylvia Plath, que foi criado a partir de 2 anos de pesquisa, sendo um deles na Casa das Caldeiras, dentro do Programa Obras em Construção. A peça escolhe como situação cênica o último dia de vida da poetisa para revelar, em tom confessional – característica determinante da literatura da autora, memórias e devaneios de alguns dos momentos mais importantes de sua vida.

A diretora Karina Saccomano, explica: “A Casa é cheia de simbolismos que os grupos acabam incorporando no processo e nós valorizamos muito isso. Gostamos de trabalhar com valores e com coisas que sejam verdadeiras, e que acima de tudo permaneçam. Física e culturalmente, podemos dizer que hoje, a Casa das Caldeiras é um local de resistência. Valorizamos a memória e a história.”

“Casa das Caldeiras” é o nome dado a uma construção fabril de 1920, localizada na Avenida Francisco Matarazzo, que com seus tijolos e chaminés remete os visitantes à memória viva do período em que a cidade se transformou em metrópole. Desde o seu restauro, em 1998-1999, abriu suas portas para a cidade e após alguns anos, passou a ser reconhecida como um polo de cultura independente, palco de eventos sociais, privados e coorporativos, valorizando os encontros, as relações sociais e a construção de novas histórias.

Com a mostra TEMPO FORTE, a Casa das Caldeiras convida a população para conhecer novos trabalhos, pesquisas e processos criativos, em um evento de quatro dias que promete fazer essas Caldeiras borbulharem. Se você ainda não conhece este espaço, não perca esta oportunidade!

TEMPO FORTE
Mostra da residência artística do programa Obras em Construção 2016, realizado pela Casa das Caldeiras. Quatro dias de intensa movimentação neste polo multicultural que com sua singular arquitetura, abre suas portas e convida o público a conhecer o trabalho dos artistas residentes, e também todo o movimento sócio-cultural, que propõe uma ocupação para esse patrimônio revitalizado através da arte, de maneira democrática, inclusiva e diversificada. Com apresentações de artes visuais, performances, teatro, dança e outras expressões e processos de criação artísticos, TEMPO FORTE apresenta:

Carmem Munhoz com MERGULHO EM ÁGUAS PLÁCIDAS

Carolina Sudati com NOIVAS_E OUTROS ESTUDOS DA RELAÇÃO CORPO E VESTUÁRIO

Coletivo PAY [direção Alexandre Paulain] com UMA FACA SÓ LAMINA

Dudu Quintanilha com ESTUDO ESPORÁDICO DE PERFORMANCES EPP

Marcelo Bressanin e Pedro Ricco do DUO B com VOLÁTIL

Marcus Moreno com A FLOR DA LUA E OUTRAS EFEMERIDADES

Mariana Molinos e Felipe Teixeira com CRONOLOGIA KAIRÓS

Maurício Cardoso com CAMINHOS FORMAIS, ESTÉTICOS E SIMBÓLICOS

Vanessa Bruno, Livia Vilela, Rita Grillo, Elisa Volpato e Paulo Salvetti com VULCÃO

Quando: 03 de setembro das 15:00 às 20:00 / 04 e 05 de setembro das 15:00 às 21:00 hs

06 de setembro das 11:00 às 19:00 hs

Entrada gratuita. Não possui estacionamento no local.

Para mais informações e confirmação da programação, acesse a página do facebook: www.facebook.com/casadascaldeiras ou o site casadascaldeiras.com.br/blog.

ASSOCIAÇÃO CULTURAL CASA DAS CALDEIRAS: Avenida Francisco Matarazzo 2000 Água Branca – São Paulo SP – TEL: 3873-6696

 

DEIXE UM COMENTÁRIO