Caixa Cultural Rio exibe individual de Antônio Maia, um dos criadores da Brasilidade Moderna

Exposição com curadoria de César Romero apresenta 40 telas do sergipano, além de origamis, livros, cartas e outros documentos

Uma nova luz – Antônio Maia (2000)
Uma nova luz – Antônio Maia (2000)

A CAIXA Cultural Rio de Janeiro apresenta, de 30 de abril a 26 de junho de 2016, a exposição Ex-Voto, alma e raiz, com 40 telas do sergipano Antonio Maia produzidas nos últimos 30 anos. A mostra é uma homenagem do artista plástico baiano César Romero, que assina a curadoria, ao pintor que foi seu amigo pessoal. A montagem, que ainda traz livros, catálogos, cartas, postais, origamis e ex-votos originais, tem entrada gratuita e patrocínio CAIXA e do Governo Federal.

A exposição mostra elementos do universo de Antonio Maia, dispostos pelas paredes, seus signos e figuras de linguagem popular. O espectador também terá contato com a luminosa palheta do artista. Suas cores são personalíssimas e o localizam como um pintor de origem nordestina. Antonio Maia foi um dos artistas criadores da Brasilidade Moderna.

Nascido em Carmópolis, Sergipe, em 1928, Antonio Maia pintou seu primeiro quadro baseado na figura do ex-voto nordestino em 1964. Sempre fiel ao seu tema, Maia o tratou de maneira diferente em todo seu percurso. Seus ex-votos tinham precisão, imagens nítidas, exatas, planos de cor definidos, composição bem pensada, cortes inusitados. Seus quadros estabelecem uma relação direta com o público, empatia do místico e do real. Sempre estava atento aos grandes movimentos da arte, mas nunca perdeu sua identidade. Tornou-se um artista de grande prestígio, popularidade e mercado e aclamado pela crítica.

“Esta exposição passou pela Bahia, agora vem ao Rio e vai a São Paulo no final de 2016, para que a obra de Maia seja revista e possa prevalecer como merece.  Sua preocupação era deixar uma obra que representasse sua região e o Brasil. Cumpriu sua missão de forma magistral”, comenta o curador.

Em sua carreira, Antonio Maia ganhou importantes prêmios, como o certificado de Isenção de Júri no Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1966), o mais importante e qualificado evento de arte na época; o Prêmio Lar Brasileiro (1967), da IX Bienal de São Paulo; e os prêmios Viagem no País (1968) e Viagem ao Estrangeiro (1969), do Salão Nacional de Arte Moderna. Participou de várias exposições coletivas e individuais no Brasil e realizou individual no Art Gallery of Brazilian American Cultural Institute em Washington D.C. Também chegou a assinar a coluna de artes plásticas do Jornal do Brasil.

Antonio Maia faleceu em 2008 no Rio de Janeiro. Esta é a segunda vez que César Romero homenageia um amigo já falecido. Na 3ª Bienal da Bahia, no Museu de Arte Sacra, relembrou Harry Laus (1922-1992), crítico de arte catarinense que dos anos 60 a 80 era o crítico mais importante do Brasil. Romero, Maia e Laus conviveram por décadas e trocaram entre si vasta correspondência e informações sobre arte.

A exposição Ex-voto, alma e raiz abre no dia 30 de abril (sábado), às 17h, com visita guiada pelo curador. O catálogo, que também será lançado no vernissage, estará disponível no site www.expoart.com.br.

Serviço:

Exposição Ex-Voto, Alma e Raiz

Entrada Franca

Local: CAIXA Cultural Rio de Janeiro – Galeria 2

Endereço: Av. Almirante Barroso, 25, Centro (Metrô: Estação Carioca)

Telefone: (21) 3980-3815

Abertura: 30 de abril (sábado), às 17h – com lançamento do catálogo e visita guiada pelo curador

Visitação: : 01 de maio a 26 de junho de 2016

Horário: terça-feira a domingo, de 10 às 21h.

Classificação indicativa: Livre

Acesso para pessoas com deficiência

Patrocínio: Caixa Econômica Federal e Governo Federal

DEIXE UM COMENTÁRIO