“Beasts of no Nation” mostra a dura realidade dos países em guerra civil

Em sua primeira produção de longa de ficção, a Netflix nos brinda com um filme completamente atual. A história narra a eclosão de uma guerra civil num país africano e os desdobramentos que ela traz para a população, tendo como personagem principal o menino chamado Agu. Adaptado de um livro homônimo, escrito pelo nigeriano Uzodinma Iweala, tem na produção e direção Cary Fukunaga, conhecido pelo belo trabalho na série “True Detective”, da HBO.

A atual crise migratória que o mundo vivencia, é – de uma maneira geral – fruto de processos como o abordado no presente filme.  Percebe-se que o drama dos refugiados começa muito antes de conseguirem chegar à Europa. Precisam primeiro passar incólume às barbáries cometidas por grupos paramilitares em seus países de origem, para depois ter a sorte de conseguir migrar.

“Um garoto é inofensivo?” (…) “Um garoto tem dois olhos para ver?” (…) “Um garoto tem mãos para estrangular e dedos para puxar gatilhos”. O comandante de uma milícia armada de libertação nacional profere estas palavras, antes de poupar a vida do jovem Agu.  Logo em seguida ele é transformado no mais novo soldado do pelotão. A família do menino fora dilacerada. Quando a guerra civil estourou, sua mãe fugiu, o pai e os irmãos foram friamente assassinados, e a ele restou correr e fugir, até ser encontrado pelos rebeldes. Presenciamos então o nascimento forçado e precoce de um guerreiro, que pela idade e experiência, não tem muita noção do por que estar batalhando e matando as pessoas.

Cenas chocantes, como a primeira execução cometida por Agu, alternam-se com cenas emocionantes, como na que ele diz que – em seus raros momentos de reflexão: “a única forma de não lutar mais, é morrendo”. Agu perdeu precocemente a inocência e a infância, e uma das cenas que simbolizam isso é quando ele diz para si mesmo que “agora conheço o cheiro dos mortos”.

Tendo cenas de guerra belissimamente produzidas, “Beasts of no Nation” mostra a inutilidade das guerras sem sentido, indo em direção ao nada. Sem um objetivo plausível, os homens lutam como animais selvagens, sem lugar para ir. De uma maneira geral, trata-se de um bom filme e, apesar da tônica, não é “pesado” de se assistir.

Ficha Técnica:

Título: Beasts of no Nation
Título Original: Beasts of no Nation
Ano: 2015
Direção: Cary Joji Fukunaga
Elenco: Abraham Attah, Emmanuel Affadzi

 

DEIXE UM COMENTÁRIO