Baixo Suíça: 250 mil visitantes celebraram a amizade entre o país e o Brasil

Espaço, que ganhou prêmio de Melhor Casa de Hospitalidade Rio 2016 na categoria Confraternização, ofereceu atrações como globo de neve, rinque de patinação de gelo sintético e mini-fazenda urbana sustentável, além de apresentar a culinária e os vinhos suíços, shows de diversos artistas e festas com DJs. Casa recebeu, ainda, Chefes de Estado e os atletas olímpicos e paralímpicos

Foram aproximadamente 250 mil visitantes, 22 mil salsichões e outros pratos da culinária típica, 8 mil pessoas no rinque de patinação, 12 mil no globo de neve e muita celebração. Com uma programação variada e gratuita, o Baixo Suíça 2016, aberto desde o dia 1o de agosto no campo de beisebol da Lagoa Rodrigo de Freitas, foi recordista de público na comparação com todas as outras dez edições já realizadas em grandes eventos esportivos ao redor do mundo. Durante quase dois meses, o espaço contou com diversas atrações procuradas pelo público – além do rinque e do globo de neve, a casa apresentou novidades como a gôndola giratória, uma réplica do trem com simulador de realidade virtual, a culinária suíça feita no feuerring, degustação de vinhos suíços, shows, festas com DJs, ações de inovação, workshops e palestras sobre diversos temas e a exposição de 150 anos da Nestlé. 

“A casa superou todas as nossas expectativas. Aprendemos muito com os cariocas na Copa do Mundo e, no Baixo Suíça 2016, aplicamos esse conhecimento num local mágico, a Lagoa. Nosso desejo de mostrar a Suíça de um jeito diferente, para além dos clichês, foi plenamente realizado”, celebra Nicolas Bideau, embaixador da Presença Suíça, órgão do governo responsável por divulgar o país no exterior. 

Durante os dois jogos, o Baixo Suíça exibiu as competições esportivas ao vivo num telão gigante de alta definição. O público lotou o espaço para assistir ao melhor do espetáculo dos jogos Olímpicos e Paralímpicos, compartilhando os grandes momentos esportivos. Muitos atletas e todos os medalhistas suíços foram recebidos na casa: as tenistas Martina Hingis e Timea Bacsinszky, os ciclistas Fabian Cancellara e Nino Schurter, a atleta Nicola Spirig, a ginasta Giulia Steingruber e os remadores Lucas Tramèr, Mario Gyr, Simon Schurch e Simon Niepmann e a atleta de tiro Heidi Gerber, além dos atletas paralímpicos Marcel Hug e Tobias Fankhauser. 

As atividades de inovação também foram prestigiadas, por meio de eventos organizados em parceria com instituições brasileiras e suíças, como a swissnex (braço científico do Consulado da Suíça no Rio), o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), a Swiss Federal Institute for Forest, Snow and Landscape Research (WSL) e o Instituto Moreira Salles (IMS). Entre as ações destacadas, estiveram o seminário que apresentou um revolucionário software de georreferenciamento de fotos históricas, a exposição “Além das Barreiras: a reabilitação física pelo esporte”, sobre o trabalho do CICV, e o Projeto Cybathlon, que demonstrou, em campo, o futuro da tecnologia assistiva no Baixo Suíça.

A colaboração com escolas públicas, instituições de ensino e associações esportivas também foi intensa. Muitos grupos visitaram a casa, como o dos alunos do Projeto Baseball Escolar. No dia da visita, as crianças – e todo os público da casa – puderam treinar, numa enorme gaiola inflável instalada ao ar livre no Baixo Suíça, rebatidas nas bolas de beisebol. As crianças do Projeto Botinho, do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, conheceram a mini-fazenda urbana da Urban Farmers, para aprenderem noções importantes sobre agricultura sustentável.

Na área cultural, o Baixo Suíça recebeu músicos de diversos gêneros e culturas, como Marc Sway, Manu Dinbango, Bastian Baker, Swissando Jazz Club com Thais Macedo, Katerina Polemi, Yuval Bem Lior, Al Pride, o Grupo Orbital Choir, Dança em Trânsito, Corpo em Movimento e a escola de samba Unidos da Tijuca, entre muitos outros. A casa ainda exibiu filmes e apresentou performances de artistas. Os cães da raça São Bernardo, JJ e Juanita, também marcaram presença em diversos momentos e fizeram a alegria das crianças e dos visitantes.

A Miss Suíça também esteve na casa, a convite da Associação de Friburgo, de Nova Friburgo cidade fundada por imigrantes suíços. 

O legado do Baixo Suíça está garantido. Além da revitalização do campo de beisebol da Lagoa, que passará a ter iluminação para a prática noturna, na última semana foi anunciado oficialmente o apoio do Consulado da Suíça ao Projeto Social Baseball Escolar, que tem como objetivo promover a inclusão e o desenvolvimento humano de jovens e crianças residentes em áreas de vulnerabilidade social. Fundado em 2012, o Projeto Social Baseball Escolar atende hoje a 110 alunos, de 9 a 16 anos, em quatro núcleos de iniciação e desenvolvimento: Irajá, Rocinha, Ramos e Duque de Caxias. Com o apoio do Consulado da Suíça, o projeto poderá contar com novos uniformes e outras despesas de treinamento.

“Para nós é importante apoiar o esporte como um meio de desenvolvimento social. Escolhemos o beisebol por ser um esporte que pode ser praticado em qualquer lugar, só precisando de uma bola e de taco. Queremos contribuir para tirar as crianças das ruas e do tráfico através do esporte, mostrando que é possível um futuro diferente”, explica Giancarlo Fenini, cônsul da Suíça.

Baixo Suíça encerra a campanha Swissando

A campanha de comunicação Swissando foi desenvolvida pela Presença Suíça, órgão do Departamento de Relações Exteriores da Suíça, responsável pela implementação da estratégia de comunicação para aumentar a visibilidade do país no exterior. Com duração de três anos, a campanha teve como objetivo conectar os dois países através de projetos e eventos em diferentes áreas, como economia, esporte, cultura, turismo, tecnologia e inovação.

O trabalho começou na Copa do Mundo de 2014, quando o Baixo Suíça foi instalado em um restaurante na Lagoa, por onde passaram cerca de 200 mil pessoas. O espaço, que reuniu torcedores de várias nacionalidades, foi eleito como o melhor “public viewing”, lugar para assistir aos jogos, durante o evento. Em 2016, o Baixo Suíça na Olimpíadas e Paralimpíadas encerra a campanha Swissando que contou também com ativações nas mídias sociais como Instagram, Facebook, Twitter, Snapchat, YouTube e Flickr.

“Realizamos uma pesquisa que mostrou que 56% dos brasileiros não conheciam a Suíça e os primeiros tópicos que vinham à mente do público jovem eram queijos, chocolates e relógios. Por isso, o governo suíço decidiu investir em uma campanha para promover o país e conectar as duas culturas. Estamos muito felizes com os projetos e resultados. Esperamos ter conseguido mostrar que a Suíça é muito mais do que os clichês e que os dois povos têm muito mais em comum do que se imaginava”, afirma André Regli, embaixador da Suíça no Brasil.

Além dos dois maiores eventos esportivos no Brasil, a visibilidade da Suíça no país foi ampliada pela escola de samba Unidos da Tijuca, que a apresentou a Suíça como seu enredo em 2015, realização do Swissando Montreaux Jazz, mapeamento da floresta amazônica com o UAV Atlantik Solar, exibição de fotografias “Beyond the victims: Humanitarian Switzerland and the International Committee of the Red Cross” em Brasília, entre outros.

Online:

Swissando
http://www.swissando.com.br
http://www.facebook.com/swissando
www.instagram.com/swissando 

House of Switzerland
http://www.houseofswitzerland.org
https://www.facebook.com/houseofswitzerland
https://twitter.com/hofswitzerland