“As Conchambranças de Quaderna” de Ariano Suassuna

Após grande sucesso de público e crítica em duas temporadas no Rio de Janeiro, uma em São Paulo, uma turnê pelo Brasil e participação em vários festivais, “As Conchambranças de Quaderna”, de Ariano Suassuna, está de volta ao Rio com quatro apresentações no teatro Dulcina fazendo parte do repertório da Cia OmondÉ, que será apresentado comemorando seus cinco anos. Sob a direção de Inez Viana, o espetáculo reúne duas peças numa só, ligadas por um mesmo narrador, Dom Pedro Diniz Quaderna, personagem principal do famoso romance de Suassuna, “d’A Pedra do Reino”.

“Trata-se de uma equipe que pesquisou, entendeu e traduziu brilhantemente o universo de Ariano Suassuna, um dos autores mais interessantes do Teatro Pátrio, e levou esse entendimento ao palco, para nossa felicidade geral”.
Jefferson Lessa (Jornal O Globo)

O elenco, Leonardo Bricio, Débora Lamm, Juliane Bodini, Ricardo Souzedo, Carolina Pismel, Iano Salomão, Jefferson Schroeder, Zé Wendel, Junior Dantas, Luis Antônio Fortes e Maíra Zago se reúne para contar duas histórias curtas, ambas narradas por Quaderna (Leonardo Bricio): a primeira, a saga de duas irmãs prometidas em casamento, onde o noivo de uma delas, no dia do matrimônio, resolve casar-se com a outra. Uma grande confusão! Já na segunda história, uma mulher faz um pacto com o Diabo para que este leve o seu marido infiel e sua amante para o inferno. Quaderna, então, se disfarça de Diabo e revela um final surpreendente, além de criar muitas “conchambranças”.

Segundo Inez Viana, um destaque especial da montagem, inspirada nos circos e danças populares, é a utilização de painéis que ‘correm’, trazendo e ocultando personagens, criando assim uma ilusão de magia e um ritmo próprio.

Sobre Ariano Suassuna:
Ariano Suassuna dispensa apresentação, mas nunca é demais ressaltar que o trabalho do romancista e dramaturgo é uma das mais importantes referências da literatura brasileira. Fundador do “Movimento Armorial”, Ariano tem sua obra permeada por valores e personagens da cultura popular nordestina e de clássicos da literatura universal. O autor dos célebres “O Auto da Compadecida” e “d’A Pedra do Reino”, é o poeta das raízes mais fundas da nacionalidade, um defensor militante da cultura do Nordeste, tendo sido comparado a Dante e Cervantes. 

Sobre Inez Viana:
A atriz e diretora teatral, Inez Viana é formada pela C.A.L. (Casa das Artes de Laranjeiras) desde 1987. Reúne em seu currículo mais de 20 peças, filmes, novelas e shows. No teatro, trabalhou com diretores renomados como: Aderbal Freire – Fo, Miguel Fallabela, Jorge Fernando, Cécil Thiré, Sérgio Britto, entre outros.  Dona de uma voz privilegiada, ela passeia entre palcos e microfones com desenvoltura. Em 1987, recém-formada em teatro, Inez Viana estrelou “Gardel – Uma Lembrança”, sob a direção de Aderbal Freire Filho.

Entre os prêmios que recebeu, estão: melhor atriz de Teatro em 1991 por sua atuação em “Uma Aventura Carioca”, de Caio de Andrade, e o Prêmio Millênium de Televisão por seu trabalho na novela “Laços de Família” em 2000. Foi também indicada como uma das 10 melhores atrizes do ano de 1996 por “Futuro do Pretérito”, de Regiana Antonini.  Em 2009, a atriz enfrentou uma dupla jornada com o monólogo “A mulher que escreveu a Bíblia” – que reestreou pela quarta vez em janeiro – e com o musical “Sassaricando – E o Rio Inventou a Marchinha”, que volta em janeiro de 2010.

Sobre a OmondÉ
A Cia OmondÉ surgiu, no final do ano de 2009, da vontade da diretora e atriz Inez Viana em formar um grupo com atores vindo de várias partes do Brasil, para o aprofundamento de uma pesquisa cênica, onde a diversidade, brasilidade e o diálogo com a cena mundial contemporânea (tendo como grande mentor o diretor inglês Peter Brook), fossem concomitantemente estudados. Trata-se de uma busca aos signos do teatro, infinitos se pensarmos na precisão de um gesto ou na magia do aparecimento de um objeto em cena, levando o espectador a ser cúmplice e não passivo, co-autor e não somente voyer do espetáculo. Atualmente, a CIA é formada por dois mineiros, um potiguar, um paraibano, um paranaense e cinco cariocas.

Ficha Técnica:

Autor: Ariano Suassuna
Direção: Inez Viana
Direção de Produção: Claudia Marques

Elenco: Leonardo Bricio, Débora Lamm, Juliane Bodini, Ricardo Souzedo, Carolina Pismel, Iano Salomão, Jefferson Schroeder, Zé Wendel, Junior Dantas, Luis Antônio Fortes e Maíra Zago

Cenário: Nello Marrese
Figurino: Flávio Souza
Direção Musical: Marcelo Alonso Neves
Iluminação: Renato Machado
Produção Executiva: Rafael Faustini e Jéssica Santiago
Consultoria: Carlos Newton Jr.
Assistente de Direção: Luis Antonio Fortes
Operação de luz: Ana Luzia de Simoni
Contrarregra: Marcio Gomes
Realização: Fábrica de Eventos E Cia OmondÉ 

SERVIÇO

DULCINA EM FOCO

AS CONCHAMBRANÇAS DE QUADERNA – DE ARIANO SUASSUNA

Data: 16, 17 e 18 de julho
Horário: 19h
Direção: Inez Viana

Elenco: Leonardo Bricio, Débora Lamm, Juliane Bodini, Ricardo Souzedo, Carolina Pismel, Iano Salomão, Jefferson Schroeder, Zé Wendel, Junior Dantas, Luis Antônio Fortes e Maíra Zago

Ingresso: R$20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia)
Classificação: 12 anos

TEATRO DULCINA
Rua Alcindo Guanabara, 17 – Cinelândia
Funcionamento da Bilheteria – de quarta a domingo, das 14h às 19h
Telefone: 21. 2240-4879
(metrô – estação Cinelândia)

Confira abaixo a programação completa:

JULHO – repertório Cia OMONDÉ
De 16 a 18 – As Conchambranças de Quaderna, 19h
De 22 a 24 – Os Mamutes, 19h (Mostra de Teatro Panorama Petrobras Distribuidora de
Cultura)
Dias 25 e 26 – Nem Mesmo Todo o Oceano, 19h
Dias 30 a 02/08 – Infância, Tiros e Plumas, 19h

AGOSTO
De 06 a 16 – Clementina, Cadê Você, 19h (musical)
De 20 a 30 – Peh Quo Deux, 19h (dança – Cia PeQuod, Teatro de Animação)
Dias 22, 23, 29 e 30 – O Velho da Horta, 16h (infanto-juvenil – Cia PeQuod, Teatro denimação)

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui