A vida revelada por uma maleta

Espetáculo de Teatro Documental 'Jacy' estreia no Sesc Copacabana contando a vida real de uma mulher que atravessou a história de Natal e do Brasil

Foto: Vlademir Alexandre
Foto: Vlademir Alexandre

Jacy foi uma pessoa comum, com costumes aparentemente banais. Mas talvez por ter sido uma funcionária pública, testemunhou fatos históricos importantes, tendo um ponto de vista privilegiado. Ela passou parte de sua vida próxima a pessoas influentes no contexto politico e social de Natal, cidade onde morava. Jacy costumava guardar cartas, fotos pessoais, recibos de correios, cartões de bancos, contatos de taxista, médicos e pequenas anotações em uma pequena frasqueira, que após sua morte, foi desleixadamente jogada no lixo.

 Acaso ou destino, em 2010 o ator e diretor Henrique Fontes, do grupo Carmin de Teatro, encontrou a frasqueira nas ruas de Natal. O objeto despertou uma curiosidade. Da curiosidade a motivação para produzir um espetáculo de cunho documental que narrasse a história da dona da maleta. Foram três anos de pesquisa e investigação que embasaram a dramaturgia da peça “Jacy”, que estreia dia 25 de fevereiro, quinta, às 19h no SESC Copacabana. O grupo cumpre curta temporada até 20 de março. De quinta a sábado às 19h, e domingo às 18h. Ingressos R$ 20 (inteira), R$ 10 (estudantes e idosos) e R$ 5 (associados SESC). Classificação 14 anos.

 De acordo com Henrique Fontes, o grupo já pesquisava sobre a velhice e cogitava tratar do assunto em algum projeto futuro, mas tropeçar com o descarte foi um presente, “reforçou nossa reflexão sobre a falta de politicas públicas dos idosos no Brasil, onde a população envelhece e não há espaços, projetos e ações para atender esse público”. Segundo o diretor a estreia no Rio de Janeiro é bastante significativa. “Copacabana é um bom exemplo de resistência dos idosos em participar ativamente da vida social da cidade, mesmo enfrentando problemas de acessibilidade, entre outros”, conclui. 

Sinopse
Contemplado pelo prêmio Myriam Muniz 2012, a peça convida a plateia para acompanhar a trajetória real de uma mulher que atravessou a Segunda Guerra Mundial e a Ditadura Militar no Brasil, esteve no centro de um importante conflito da política no Rio Grande do Norte, viveu um amor estrangeiro e terminou seus dias sozinha em Natal. De caráter tragicômico, revela fatos sobre o abandono dos idosos, a política e o crescimento desenfreados das cidades.

Sobre o grupo
O Grupo Carmin surgiu em 2007 com a peça Pobres de Marré. Firmou pesquisa sobre exclusão social urbana no Nordeste brasileiro e circulou por mais de 20 festivais e mostras pelo Brasil e na França. Em 2009, montou O Auto do Menino Deus. Em 2010, realizou o experimento Olha a Água, a partir da obra “A Alma Boa de Setsuan”, de Brecht. Em 2011 montou a peça para crianças “Castelo de Lençóis”, baseada em contos universais de realeza. Em 2012 estreou “Jacy”, iniciando a pesquisa de linguagem sobre teatro documental.  Em 2015 estreou a peça “Por Que Paris?” também na linguagem documental a partir da obra de Marguerite Duras. 

SERVIÇO
Temporada: 25 de fevereiro a 20 de março
Dias: Quinta, Sexta e Sábado às 19h / Domingo às 18h
Local: SESC Copacabana – Sala Multiuso
Endereço: R. Domingos Ferreira, 160 – Copacabana
Lotação: 80 lugares.
Duração: 60 minutos
Classificação: 14 anos
Ingressos: R$20 (inteira) / R$10 (estudantes e idosos) /  R$5 (assoc. SESC)
Telefones: (21) 2548-1088 / 2547-0156

FICHA TÉCNICA

Textos: Pablo Capistrano e Iracema Macedo | Dramaturgia: Henrique Fontes e Pablo Capistrano | Direção: Henrique Fontes | Assistência de Direção: Lenilton Teixeira | Consultoria Dramatúrgica: Márcio Abreu | Elenco: Quitéria Kelly, Henrique Fontes e Pedro Fiuza | Direção Cinematográfica, Operação de Som, Luz e Câmera: Pedro Fiuza | Designer de Luz: Ronaldo Costa | Direção de Arte e Cenografia : Mathieu Duvignaud | Trilha sonora original: Luiz Gadelha e Simona Talma

DEIXE UM COMENTÁRIO