A Cia Hátor estreia, no dia 11 de novembro, o seu espetáculo “Inquietos”, no Teatro Vannucci

Tomando por base uma pesquisa sobre a comicidade a partir da ação, a Cia. faz uma reflexão bem-humorada sobre a complexidade das relações humanas.

foto: Ricardo Sampaio
foto: Ricardo Sampaio

No dia 11 de novembro, estreia, no Teatro Vannucci, “Inquietos”, de Daniel Freitas. Sob a supervisão de Leonardo Talarico e direção de Marcos Barreto, o espetáculo da Cia Hátor, formada pelo autor e ator Daniel Freitas, a atriz e produtora Francine Thomas e o ator Fabiano Bernardelli, conta a história de pessoas que se encontram por acaso, em meio aos conflitos de situações que se repetem, e parecem sem saída. De forma bem-humorada, Daniel faz uma reflexão sobre a capacidade de achar a comicidade dos fatos, mesmo no meio do caos.

O texto nasceu durante as sessões do autor com sua terapeuta. Analisando as desgraças das situações cotidianas, o autor e ator Daniel Freitas foi capaz de perceber a habilidade de rir de si mesmo e das complexidades das relações humanas. Após algumas lágrimas e inúmeras piadas absurdas, sua terapeuta disse-lhe que essas mesmas situações e anseios, em sua opinião, eram o mal da humanidade e que mesmo ela carregava, dentro si, tais frustrações e alegrias. Daniel decidiu, então, organizar esses anseios, sonhos, dúvidas e frustrações em um jogo de situações, amarradas pela vida dos personagens. Era hora de tornar esses espasmos verborrágicos em uma peça teatral. “Sempre me disseram que eu era daquelas pessoas que, mesmo chorando, fazia, no meio do caos, uma piada certeira”, conta Daniel.

“Viver está para além de tudo o que possamos imaginar” – Daniel Freitas

Com um diálogo, na maioria das vezes, simples e direto, inspirado em dramaturgos, como Fernando Arrabal e Marco Antonio de La Parra, a história traz à tona o humor e o cinismo das relações, fazendo uma cronologia nada “lógica”. Ao longo da trama, os personagens vão apresentando seus dramas, tecendo a teia de seu futuro, que é incerto para todos. Uma pequena ação, num dia qualquer, até mesmo uma resposta dada por algum deles a um estranho na Rua, pode mudar, completamente, o resto de suas vidas. E, se não bastasse isso, é preciso correr, pois eles estão por toda a parte. Mas, afinal, quem são eles?

Sinopse
 “O espetáculo traz à tona o humor e o cinismo das relações humanas e apresenta uma reflexão bem-humorada sobre a comicidade dos fatos, mesmo no meio do caos”.

A Cia. Hátor – Foi criada em 2009, no Rio de Janeiro. Em seus espetáculos – “A Confraria dos Descrentes”, “Inquietos” e “Sobre nós dois” -, a Cia. visa unir manifestações artísticas, como a dança, o teatro, o circo, a música e as artes visuais. O grupo, identificado com o termo “teatro laboratório”, busca uma compreensão dos conceitos de teatro, na tentativa de um modo próprio de fazer e pensar a encenação. Em seu trabalho, quase todo autoral, discute problemas atuais, sentimentos latentes e realiza descobertas infinitas sobre a identidade artística de cada ator.

Sobre o diretor – Marcos Barreto foi um ator e diretor gaúcho e iniciou sua carreira em 1976 em Santa Maria (RS). No Rio de Janeiro, atuou na Cia. De Ópera Seca, com direção de Gerald Thomas (1985-1990), tendo participado das peças: “Matogrosso”, “Carmen com Filtro”, “Trilogia Kafka” (“Um Processo”, “Uma Metamorfose” e “Praga”), e “Eletra Com Creta”. Construiu sua carreira nos palcos de Porto Alegre, dirigindo peças, como “Pois é, Vizinha” e “A Cantora Careca”, entre outras. Tornou-se referência de qualidade e apuro estético, no sul. Também participou de diversas produções audiovisuais da Casa de Cinema de Porto Alegre, como “Anahy de las Missiones”, “O Amante Amador” e “A Coisa Certa Alegre”, além de fazer parte da minissérie “A Casa das Sete Mulheres”, na TV Globo. Marcos faleceu em 2011, após assumir a direção da Casa de Cultura Mário Quintana de Porto Alegre.

Sobre o supervisor – Leonardo Talarico é diretor artístico e autor teatral. Seu espetáculo “Amor e Ódio em Sonata”, sobre a vida de Leon Tolstói, foi convidado para realizar temporada na Rússia, em Moscou, no Teatro Meyerhold e na própria casa do escritor, em 2014. Por esse trabalho, recebeu três elogios, publicados no Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro. Foi homenageado no Festival de Cinema Russo 2013. É também professor de Teatro, supervisor de movimento do Projeto Social Despertar e fundador da Cia. Teatral “Os Insubmissos”. Ministrou oficinas para o “Cannal Z” e “Globonews”. Além de sua própria Cia., atuou como diretor de espetáculos da Cia. Lúmini, nas peças “Matéria”, “Ecos” e “Dança dos signos”, com Oswaldo Montenegro.

Ficha técnica:
Espetáculo: Inquietos
Texto: Daniel Freitas
Direção: Marcos Barreto
Supervisão: Leonardo Talarico
Elenco: Francine Thomas, Daniel Freitas e Fabiano Bernardelli
Trilha Sonora: Marcelo Lehmann e Sérgio Pascolato
Cenografia: Sérgio Pascolato
Figurino: Allan Kardec
Iluminação: Wagner Pinto
Técnico de Som: Sérgio Pascolato
Arte: Luan Dutra
Produção: Hátor Produções
Direção de Produção: Francine Thomas

SERVIÇO:
Local: Teatro Vannucci (Rua Marquês de São Vicente, 52/ 3º andar. Shopping da Gávea)
Temporada: De 11 de novembro a 30 de dezembro 
Horário: 4ªs feiras, às 21h
Ingressos: R$ 60,00 (inteira) R$ 30,00(meia)
Bilheteria do Teatro: (21) 2274-7246
Horário da Bilheteria – de 3ª feira a domingo, das 14h às 22h
Capacidade: 425 lugares
Indicação Etária: 14 anos
Gênero: Comédia Dramática
Duração: 60 minutos

DEIXE UM COMENTÁRIO