“A Casa de Cecília” estreia em agosto no Cine Cândido Mendes

Entra em cartaz no próximo dia 7 de agosto, no Cine Cândido Mendes, em Ipanema, “A Casa de Cecília”, longa-metragem de estreia da jovem diretora Clarissa Appelt, de 26 anos. O filme, que une terror, suspense e surrealismo, foi apresentado na 18ª Mostra de Cinema de Tiradentes deste ano, na Mostra Aurora (dedicada a longas de estreia de diretores), e no Festival Brasileiro de Cinema em Toronto (BRAFFTV), em 2014. A história se passa com uma menina de 14 anos que, sozinha em casa há duas semanas, após dias intercalados de solidão e euforia, recebe a visita de  Lorena, uma adolescente misteriosa. Apesar da nova companhia, a casa parece ficar cada vez mais vazia, e os eventos, cada vez mais peculiares.

“Eu gosto de brincar que esse foi um filme de fim de semana. Digo isso porque ele foi gravado e editado no nosso “tempo livre” dos nossos trabalhos “oficiais”. Basicamente todos da equipe estavam trabalhando em algum canal de TV ou produtora e deram seu tempo de descanso para filmar um filme de baixíssimo orçamento, sem receber nada. Gosto de começar com essa informação, pois acho que ela diz muito sobre o filme e me coloca um grande sorriso no rosto e uma família-equipe amada no coração”, afirma Clarissa.

A história de “A Casa de Cecília” começa quando a diretora recebeu, em 2011, um prêmio por um curta-metragem no Concurso Curta Criativo, realizado pela Firjan e o Sesi Cultural. O prêmio deu a Clarissa e equipe, formada basicamente por estudantes de Comunicação Social da Escola de Comunicação da UFRJ, cerca de R$ 10 mil e o aluguel de equipamentos de filmagem. No ano seguinte, a equipe decidiu entrar de cabeça na ideia da Clarissa de produzir com o prêmio um longa-metragem universitário de ficção. O filme foi gravado e editado entre feriadões e fins de semana. Graças ao apoio do Sesi Cultural, o longa foi finalizado em dezembro de 2014.

“Esse é um filme sobre a morte. A morte para mim é o mais importante e o mais interessante assunto no mundo. Nós frequentemente nos perguntamos o que é a morte? O que vai acontecer conosco quando a hora chegar? Existe alguma coisa além da vida? Nós criamos todos os tipos de teorias para tentar explicá-la, para ter alguma coisa que nos ajude a viver nossa vida sabendo que algum dia tudo que conhecemos será completamente extinto. Para mim, a morte é algo que ninguém pode tentar explicar, nem é capaz de esquecer a sua presença. A morte é sobre esquecer e então poder abraçar um novo estado, mesmo que nós não saibamos que estado é esse. Esse aspecto da morte é o que a torna sublime”, diz Clarissa.

(Clique nas imagens para ampliar)

[justified_image_grid]

Sinopse
Cecília está sozinha em casa. Ela tem 14 anos e passa o dia ouvindo música, lendo, mergulhando na piscina e escrevendo. Sua rotina só é perturbada pela ocasional visita de Adélia e Tiago e pelo medo que parece sentir de um dos cômodos da casa. Certo dia, uma outra menina aparece em sua casa tomando sol à beira da piscina. Ela se chama Lorena e conta ter fugido de casa. No mesmo dia, Cecília percebe um vazamento na parede de seu quarto. Cecília vai deixando Lorena ficar na sua casa. As duas se divertem juntas e conversam muito, sobretudo sobre as memórias de Cecília e sobre o apego que a menina tem com a casa. Mas há algo estranho no ar. Cecília ouve passos nos corredores, encontra pegadas molhadas e percebe que vários objetos da casa estão sumindo. Lorena aos poucos deixa de ser apenas uma companhia divertida e passa a questionar as lembranças de Cecília, que começa a ver coisas cada vez mais estranhas. Um dia Lorena diz que vai embora, e tenta convencer Cecília a deixar a casa.

A diretora
Clarissa Appelt é recém formada em Comunicação Social na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UFRJ). Nos últimos anos, trabalhou no canal de televisão GNT e atuou também como assistente de direção em séries para TV com as produtoras Total Filmes e Urca Filmes . Dentre seus trabalhos como diretora, destacam-se o curta-metragem de ficção “A Bagunça Eterna”, premiado pela Firjan, e o falso documentário “CRI4: O Contrato Alienígena”, que foi exibido no Festival Curta Cinema.

“A Casa de Cecília” é seu primeiro longa-metragem, realizado graças ao apoio do Sesi Cultural, dos estúdios Delart e da locadora de equipamentos Quanta. O site da diretora é http://www.clarissaappelt.com/.

Biografia das atrizes:

Carol Pita
Tem 18 anos, atriz, cantora e bailarina. Aluna de Atuação Cênica da UNIRIO. Está trabalhando atualmente como a protagonista ‘Inga’ no musical “O Jovem Frankenstein”, de Rubens Lima Junior. Fez 6 anos de aulas de teatro no Tablado, onde atuou em diversas peças e musicais. Fez cursos na Catsapá, Ceftem, Academia do TAP e CAL, aulas de dança na Denise & Vera Casoni e canto com Nina Pancevski e Hugo Kerth. Estreou no cinema com “A Casa de Cecília”. Participou ainda de alguns curtas: “O Bom Comportamento”, de Eva Randolph; “Ama Seca”, de Anna Guida, e a web-série “Aborrescentes”, de Lucas Younes.

Tainá Medina
Tem 21 anos, é estudante de rádio e TV na UFRJ e atriz. Começou a atuar aos 15 anos, quando ainda não pensava em ser atriz, ao ser selecionada para o papel principal do longa-metragem “A Alegria”, dirigido por Felipe Bragança e Marina Meliande, selecionado para diversos festivais nacionais e internacionais, incluindo a Quinzena dos Realizadores em Cannes em 2010. Após 3 anos afastada do meio, ela foi selecionada para o papel de Lorena em “A Casa de Cecília”. A partir de então tem estudado teatro em cursos livres no Tablado e na CAL e vem ampliando sua formação com habilidades circenses, canto e dança. Durante os últimos dois anos participou de curtas, mostras de teatro e trabalhos de dublagem.

Ficha Técnica de “A Casa de Cecília”
Elenco: Carol Pita, Tainá Medina, Daniel Archangelo, Ana Suely Malta, Dionis Tavares
Direção e Argumento: Clarissa Appelt
Roteiro: Gabriel Ritter
Direção de Produção: Amanda Amorim
Direção de Fotografia: Zhai Sichen
Montagem: Daniel Malavasi
Som Direto: Almir de Chiaratti
Edição de Som: Almir de Chiariatti e Luiz Felipe Netto
Mixagem: Gustavo Andriewiski
Direção de Arte: Bruno Bastos
Classificação Indicativa: 14 anos (ainda não saiu a classificação indicativa oficial do Ministério da Justiça, mas deve sair até o final de julho)
Duração: 102 min
Site: www.acasadececilia.com
Página no facebook: https://www.facebook.com/acasadececilia

Serviço

A Casa de Cecília
Sala de Exibição: Cine Cândido Mendes
Endereço: Rua Joana Angélica, 63 – Ipanema – Tel.:(21) 2523-3663
Ingressos: R$ 9 segunda-feira (promoção); R$ 18, de terça a quinta-feira, e R$ 20, sábado, domingo e feriado.
Capacidade: 60 lugares
Estreia: 7 de agosto de 2015
Em cartaz: de 7 a 20 de agosto
Horário: 20h30.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui